Parece que foi ontem, mas já fazem mais de 20 anos do lançamento de Resident Evil e no dia 24/01/2019 o meu hiato de nunca ter “tido” um jogo do Resident Evil 2 finalmente parece ter acabado. Com muita felicidade recebi uma chave para baixar o jogo completo do incrível “Remake” de Resident Evil 2. E antes de mais nada, fica aqui meu agradecimento para Capcom Brasil.

Mas afinal de contas Ivo… Por que você nunca teve Resident Evil 2? E essa brincadeira Resident Ivo de onde surgiu? E verdade que você nunca fechou Resident Evil 2? Por quê? Por quê? Calma pessoal! Vou explicar tudo direitinho e por isso abri essa seção no blog chamada – Diário Resident Evil – e aqui vou contar minha história com a franquia e a minha jogatina do ‘Remake” e se der tudo certo a finalização de um “pecado gamístico” de mais de 20 anos.

O inicio

A verdade é que tudo começa em 1994 para 1995 (antes do lançamento de Resident Evil 1 em 1996). Eu era um afinco gamer de 13 anos de idade e apaixonado por videogames e todas notícias relacionadas ao assunto. E não era para menos, 1996 era o ano dos lançamentos que iriam abalar o mundo gamer. Anúncios como: N64, Playstation, Saturno, 3DO e tantas outras coisas estavam chegando e foi nessas que em uma locadora acabei deparando com o 3DO e fiquei alucinado com aqueles gráficos e resolvi por “impulso” compra-lo. Falei com meu pai e nessa época ele era um cara com boas condições financeiras e mesmo custando uma fortuna ele acabou comprando o 3DO. Inicialmente o 3DO foi uma maravilha, mas depois foi um “caos total” e resumindo tudo (se quiser ler mais sobre minha história com 3DO clique aqui!) o console faliu em menos de 1 ano e justamente de encontro com o lançamento do Playstation. Ao mesmo tempo que isso acontecia (o falecimento do 3DO!) o lançamento do Playstation e a situação financeira da minha família mudou da água (boa) para o vinho (ruim).

O lançamento do Playstation foi bombástico com jogos lindos, lista de próximos lançamentos gigantesca, mais e mais produtoras indo para o seu lado e o resultado de tudo isso vocês já sabem. E lá estava euzinho só olhando tudo isso e com a plena consciência que seria impossível ter um Playstation naquela hora, devido a situação da minha família que estava sofrendo problemas financeiros. Eu até tentei vender meu 3DO, mas o fracasso do console foi tão absurdo e o Playstation estava engolindo tudo que vinha pela frente… Que deixava todos sequer pensarem em comprar um 3DO usado.

O tempo passou e meus colegas começaram comprar o Playstation e ainda mais com o famigerado desbloqueio para CD´s piratas. A geração que vinha do Snes e Mega com jogos custando R$ 120 até R$ 180 ou locações por 2 dias por R$ 6 a 8 R$ 8 podiam comprar jogos piratas de Playstation por R$ 2,00 até R$ 10,00. Isso fez a alegria de uma infinidade de gamers e lojistas. Eram lojas e mais lojas vendendo CDs piratas no Brasil e a venda cada vez mais crescente do console da Sony. E no meio disso tudo estava lá euzinho só olhando!

O jeito então foi começar a jogar na casa dos amigos e assim conhecer os jogos do Playstation. Até que um dia um desses um amigo veio com um jogo chamado RESIDENT EVIL.

Resident Evil 1 e a brincadeira do Resident Ivo

Esse amigo chegou com RE1 que tinha uma capa totalmente estranha e disse em voz alta quase berrando:
– FINALMENTE CHEGOU RESIDENT EVIL!!!
Para falar a verdade não tinha ideia do que se tratava e os outros amigos em volta também. Mas estávamos ali todos  ansiosos para vermos como seria esse game. Ele colocou o CD no Playstation e BUMMMMMMMMM!! Lá estava RE1 com aquela abertura com atores reais, clima sombrio, com sangue e muitoooooo terror. O silêncio no quarto desse amigo foi absoluto e quando foi dado “START” o narrador falou: RESIDENT EVIL!! E alguém fez a seguinte brincadeira:
RESIDENT IVOOOOOOOOOOOO!!
Todos caíram na gargalhada! E claro que eu fiquei bravo né?! Todo mundo rindo de mim! As risadas passaram e lá estávamos jogando aquele incrível jogo de terror com cenas assustadores, ótima história, um estilo de jogar diferente de tudo que tínhamos visto. Mas era “de lei” toda vez que ele ligava o jogo a piada com o nome RESIDENT IVOOOO surgir. Até que um momento que aquele menino de 13 anos já não fica mais nervoso e até entrava na brincadeira falando RESIDENT IVOOOOOOOOOOOOOOO!!

E RE1 atingiu não somente aqueles garotos e a mim, mas toda uma geração. O sucesso foi imediado e todas as revistas de games da época e rodas gamers só falavam desse jogo.

Da minha parte eu admirava cada vez mais o jogo e tentava ler o máximo possível sobre ele (que exploda spoilers!). Mistério, terror, ação, zumbis… era tudo que adorava e ainda adoro (que me conhece sabe!). Até cheguei jogar na casa dos amigos, mas Resident Evil não é um jogo para jogar “picotado” na casa dos amigos, mas sim jogar sozinho e com as luzes apagadas de preferência. Então o jeito foi esperar e quem sabe no futuro ter um Playstation e jogar ele sem ser “picotado”… o que já aviso que nunca aconteceu e me forcei  em me afastar dele por pura falta de expectativa de joga-lo.

Resident Evil 2 – A explosão da franquia

Meu afastamento de RE1 devido a frustração de não joga-lo funcionou por um tempo. Eu tentava me satisfazer jogando outros joguinhos em fliperamas ou na casa de amigos. Mas o afastamento do assunto RE só durou até  anúncio de Resident Evil 2. RE 1 foi um sucesso e isso é #fato, mas RE 2 foi além do primeiro por diversos fatores. O Playstation reinava ainda mais absoluto 1998, como sucesso mundial absurdo, jogos e mais jogos sendo lançados e no Brasil a pirataria só expandia as suas vendas. Mas ainda sim meus pais ainda sofriam com efeitos financeiros e possibilidade de ter ele ficava sempre distante. Não que isso fizesse ficar bravos com eles, pelo contrário, sabia de todos os sacrifícios deles para manter os filhos estudando e colocar comida na mesa.

 

Quando RE 2 surgiu com 2 CDs para jogar, com personagens diferentes e campanha distintas, com abertura em CG primorosa, mistérios, zumbis, história incrível, tudo muito maior que a primeira versão… a mente dos gamers EXPLODIU! Quem já conhecia RE 1 ficou maravilhado e quem não conhecia acabou conhecendo de vez a franquia.

E foi justamente nessa explosão de RE 2 que um outro amigo meu veio com 2 CDs piratinhas e me mostrou o jogo. Não vou mentir que foi um mistura de alegria por estar ali vendo aquele jogo incrível, mas ao mesmo tempo de um pouquinho de frustração por não ter meu Playstation e jogar ele.

RE2 estampou várias capas de revistas com detonados, programas de TV que falavam só dele (Stargame!), dicas e tudo que você poderia imaginar nesse mundo gamer. Era impossível você ficar de fora do assunto RE 2 então o jeito era euzinho ficar por dentro de tudo de RE2 e torcer de algum modo eu ganhasse um Playstation para joga-lo.

Resident Evil 2 – A esperança de jogar

Infelizmente nunca consegui ter um Playstation e para falar a verdade só voltei a ter um videogame na geração Xbox 360. Mas joguei muita coisa na casa dos amigos e nunca fiquei de fora das novidades, mesmo não tendo os consoles. Mas RE estava lá e com isso veio o 3, 4, 5, 6, mas no fundo nenhum deles me interessava muito. Não queria jogar eles sem antes ter jogado o RE 1 e especial o RE 2 e prolonguei isso por vários anos…. vários! Ao ponto de deixar de lado e não querer jogar. E olha que tinha um PC para rodar ele no emulado ou mesmo condições de comprar Playstation 1 (já trabalhava a vários anos!). Na verdade até tentei via emulador, mas eu sentia que tinha perdido aquela “VIBE” de todos estarem jogando e falando do jogo…. vendo as revistas sendo lançadas e aquele envolvimento  só quem jogou na época do lançamento teve. Isso me desanimava a joga-lo! Por mais que seja uma jogo espetacular a frustração de não ter jogado ele completamente no lançamento me vencia.

Resident Evil 2 Remake – A notícia e a jogatina

O tempo passou e isso do Resident Evil ficou guardado ali em um caixinha da minha mente. Com o tempo essas coisas deixam de te incomodar e se tornam uma parte de você que apenas está ali guardada e quando você quer abri-la… é só para lembrar das coisas boas e esquecer as frustrações (isso se chama amadurecimento!). E foi assim que fiz com RE, a brincadeira Resident Ivo continuou, fiz um blog com esse nome e lembrava das coisas boas de RE quando as conversas aconteciam. Até que para meu espanto Resident Evil 2 Remake é anunciado e todo aquele relampejo de estar em 1996-1998 na “VIBE” de estar jogando no lançamento me fez abrir um BELO SORRISO. Eis que estou aqui com o Remake de Resident Evil 2 em mãos e prestes a joga-lo do zero e com o mesmo sentimento igual a aquela garoto de 13 anos e que agora com a certeza de um Playstation e joga-lo finalmente. =) Alegria!

É isso pessoal! Essa é primeira parte do Diário Resident Evil.
Obrigado para quem leu até o fim e pela paciência.
E até a próxima parte = JOGANDO CLARO!