BGS 2017 - Estivemos lá!

Fala galera da Locadora Resident Ivo! Hoje vamos falar sobre o que vimos, gostamos, não gostamos e que jogamos na Brasil Game Show 2017. Sim, estivemos  lá no Expo Center Norte em São Paulo, na sexta-feira dia 13 de outubro e já deixo aqui meu agradecimento ao Diogo (Woo do Arquivos do Woo) pela força e a minha esposa (Cris) por ter me acompanhado no evento. Mas vamos lá pessoal, tem muita coisa para falar sobre o evento.
Bora lá!

Como todos devem saber, essa é a décima edição do Brasil Game Show. Um evento que começou pequeno em meados de 2009 e hoje se tornou a maior feira de games da América Latina. Com o aniversário de 10 anos, ela trouxe algumas personalidades importantes da indústria de games como: Hideo Kojima e Nolan Bushnell e outros, algo inédito aqui nas terras tupiniquins. Essa é a terceira vez que vou na BGS e agora já posso dizer que tenho uma "bagagem boa" para relatar o que tem de bom, o que pode melhorar e o que não é bom no evento.


Hora de ir a Brasil Game Show 2017

Sexta-feira chegou e lá fomos para o evento. Como não sou proprietário de um carro (ainda!) tive que ir de transporte público. Seguimos até o metrô Tietê, onde tinha sido informado que existiria transporte grátis, cedido pela BGS até o Expo Center Norte. Chegando ao metrô, acabei sendo informado do local onde ficava o ônibus e realmente lá estava ele. Tenho que dizer que o ônibus que fui era ótimo, não eram aquelas "latas-velhas" e tinha ar-condicionado e ainda por cima um carinha lá do estande Razer estava fazendo gincanas e distribuindo cupons para retirar brindes na própria estande da Razer. Até que foi interessante, para distrair o pessoal até a BGS que demorou uns 15 minutos.  Aos que foram de carro fui informando que o estacionamento estava custando R$ 40,00 o dia, se você for ver bem nem está caro, visto que por exemplo na minha ex-cidade em Santos a hora no estacionando é R$ 15,00.

__________________________________________________________________

Os pontos positivos foram:

  • Transporte de qualidade
  • Sem filas
  • Organização da entrada no evento foi ótima

Os pontos negativos foram:

  • Acabei sabendo que no dia de imprensa não teve ônibus grátis

__________________________________________________________________

Descendo do ônibus me dirigi ao local do evento. A fila não estava grande (não sei como foi nos outros dias!), mas na sexta estava tudo tranquilo e não tinha muita gente (até aquele horário!). Segui diretamente para entrada da imprensa, onde fui atendido rapidamente e segui por um portão que dava acesso direto ao evento. Desta vez, ao contrário dos outros anos, não tive problema em passar o meu crachá com código de barras. Me lembro que dava problema na hora de passar o código de barras do crachá nos anos anteriores e tinha que ir até um central para imprimir um novo ingresso e a fila era monstruosa. Mas deu tudo certo e enfim entramos na BGS e lá estávamos.


A Entrada e Hideo Kojima

Não adianta, por mais que você tenha-se acostumado a ir na BGS ao entrar a gente acaba ficando empolgado ao ver aqueles estandes, músicas, público, lojas e tudo mais... é como você tivesse indo pela primeira vez. Eu tenho que admitir que sempre me sinto assim quando vou entrar nela a cada ano, afinal meu sonho é ir na E3 um dia e enquanto isso o jeito é aproveitar a BGS. Bom, demos uma volta rápida no evento porque já eram 13:30hrs e o "Painel Kojima" estava marcado para às 14:00hrs e tínhamo-nos escrito para ver ele. Até que encontramos rápido o "Painel Kojima" e lá tinhas vários lugares para sentar e logicamente as primeiras fileiras perto do palco já estavam ocupadas.

.....................

Antes da entrada do Kojima a banda "Vivalma" estava tocando algumas músicas temáticas de jogos e ao melhor estilo Heavy Metal. As únicas que reconheci foram do jogo Portal e do Mortal Kombat. O público não ficou muito animado com a banda, acho que a principal razão era a expectativa com a entrada Kojima, mas a banda era muito legal e tocava muito bem.

E finalmente a grande hora chegou e o Kojima entrava no palco e inicialmente tímido, mas com o tempo foi ficando mais confortável e simpático. E logo de cara foi apresentado ao público e fomos informados que ele receberia o "Wall da Fama" da BGS. Ele marcaria sua mãos no cimento, assim como acontece lá em Hollywood com os pés, como homenagem em ter ido ao BGS 2017. Logo depois ele respondeu algumas perguntas (umas 5 perguntas!) que foram selecionadas através da Internet e repassadas para uma tradutora japonesa, que repassa em japonês para ele. Algumas perguntas foram muito mal selecionadas para falar a verdade. Perguntaram para o Kojima a sua relação com o cinema e vamos sinceros... já lemos sobre isso 1 milhão de vezes em entrevistas, revistas e sites especializados. Deveriam fazer perguntas inéditas ou sobre curiosidades (espero que nos outros dias tenham sido assim!) de coisas que não sabemos. Mas no final o Kojima acabou tentando ser o mais claro e detalhado possível nessas perguntas e ganhou um crédito bem legal sobre isso. De resto após as respostas ele se despediu do pessoal e foi embora.

...........................

..............__________________________________________________________________

Os pontos positivos foram:

  • Interesse do Kojima em estar ali e responder da melhor maneira possível as perguntas, apesar de achar que ele percebeu que as perguntas eram superficiais demais
  • Banda Vivalma tocando tema do Mortal Kombat em Heavy Metal
  • Estrutura do Painel Kojima que estava linda demais
  • A reação do público em ver o Kojima (pessoal realmente estava empolgado!)

Os pontos negativos foram:

  • Perguntas mal selecionadas
  • Nem precisava ser inscrever no site para ir ao Painel Kojima. Não teve qualquer identificação para isso como avisado no site
  • Nenhum pergunta do público presente foi feita
  • Todo mundo ficou em pé o tempo todo mesmo com cadeiras para todos sentarem

A Hora dos Games

Depois de sair do "Painel do Kojima" era hora da dar uma passeada e ver os jogos na feira. E logo de cara passei pelos estandes de indies. Tinha muita coisa boa lá, mas estava menor que os anos anteriores. Demos uma "bizolhada" e dois jogos que me chamaram atenção o Guts e o Skydome.

Para quem não conhece o Guts é um jogo de luta, mas diferente em partes dos ícones Street Fighter e Mortal Kombat. O jogo não tem barra de vida e para vencer as lutas é necessário "desmembrar os adversários". Isso mesmo, você tem que arrancar braços, pernas e tudo do seu adversário para ganhar. Os gráficos e controles estão ótimos e o jogo me lembra de algum modo Killer Instinct na hora de bater nos inimigos. A principal parte que vi e reparei em quem jogava era a diversão. Nada como arrancar braços e pernas do seu amigo em um VS e rir até o fim. Um jogo super promissor e brazuca.

__________________________________________________________________

Os pontos positivos foram:

  • Divertido
  • Ótimos gráficos e controles
  • Arrancar braços e pernas XD

Os pontos negativos foram:

  • O jogo deveria ser melhor divulgado nos sites brasileiros de games
  • Ninguém que conversei (amigos) sobre o jogo conhecia ele

__________________________________________________________________

Skydome era outra surpresa. Eu já tinha visto ele ano passado e a evolução do jogo foi imensa e do estande também. Ano passado era um espaço pequeno, mas esse ano o estande era enorme e até cheguei a me perguntar se jogo era o mesmo. O game evolui muito do que foi apresentado ano passado. Para quem não conhece o Skydome, ele é praticamente um League of Legends brasileiro, mas com peculiaridades próprias. Sem dúvida uma das minhas apostas de sucesso em indies brasileiros.

__________________________________________________________________

Os pontos positivos foram:

  • Evolução monstruoso do que foi apresentado ano passado
  • Estande lindo de se ver
  • Grande expectativa de sucesso

Os pontos negativos foram:

  • O jogo deveria ser melhor divulgado nos sites brasileiros de games. 

__________________________________________________________________

Conversando com o Marcos Valverde do Passagem Secreta, via Twitter, ele acabou me lembrando de um jogo muito bonito e ao melhor estilo Dark Souls e também brazuca. Ele se chama Black Iris. Vale a pena dar uma olhada:

https://www.youtube.com/watch?v=fs9209k_HGw

Essas foram as principais coisas que vi nos estandes indies. Se você viu algo legal, não deixa de escrever aqui nos cometários.


Microsoft

Como sempre os estandes da Sony e Microsoft estavam repletos de jogos e de pessoas. A hora que consegui chegar nesses estandes o evento já estava lotado e tive que usar minha habilidade de "observador" para analisar alguns jogos... porque jogar era impossível!

Talvez a maior surpresa do ano em questão de games lançados estava lá. O incrível Cuphead!! Já tinha jogado ele aqui em casa e digo que é um belíssimo shooting, com uma linda arte voltada as animações dos anos 30 e uma dificuldade que remete os "velhos jogos pedreiras" do Nintendinho e cia. E pelo que vi a galera estava MEGA INTERESSADA no jogo! Vi crianças, adultos, adolescentes, alienígenas jogando esse game incessantemente e deixando a fila quilométrica.

__________________________________________________________________

Os pontos positivos foram:

  • Jogo super lindo e divertido
  • Dificuldade clássica e sem "molezinha"
  • Jogabilidade ótima

Os pontos negativos foram:

  • Não consegui jogar! Fila enorme! Microsoft poderia ter colocando mais estandes dele para jogar

__________________________________________________________________

Uma das maiores surpresas no evento em questão de jogos que não conhecia ou tinha ouvido falar é o Super Lucky’s Tale (outro com fila enorme também!). Um jogo nos maiores moldes de Super Mario 64 e Crash Bandicoot. Gráficos lindos, cenários fantásticos e um personagem que me pareceu muito simpático. Em Super Lucky’s Tale você controla a simpática raposinha (que lembra muito o Tails!) podendo pular, atacar inimigos com seu rabo, carregar itens, encontrar itens, resolver vários puzzles e achar muitos segredos durante as fases. Será que a Microsoft finalmente acertou em um jogo desse estilo? Depois dos fracassos da Rare em fazer jogos assim para Xbox 360? Vamos aguardar! Lançamento é agora dia 7 de novembro. Fim de ano promete!

__________________________________________________________________

Os pontos positivos foram:

  • Lindos gráficos
  • Cenários lindos e bem construídos
  • Personagem principal carismático
  • Grande surpresa para o fim de ano

Os pontos negativos foram:

  • Só para Xbox One
  • Não conhecia
  • Fila enorme e não consegui jogar

Outros jogos estavam na estande como: Fifa 18, Sea of Thieves e DragonBall FighterZ


Sony

Estande da Sony tava lá todo pimpão também! Vários jogos, mas os que mais se descaram na minha opinião foram: Keen da Cat Niguiri e Call Of Duty WWII e explico.

O Keen chamou a atenção logo de cara da minha esposa, fiquei intrigado com ele por não conhecer e fui dar uma olhada. Ele me interessou muito e para minha surpresa o jogo é brasileiro. O jogo mistura japão feudal, fábricas, robôs e coisas futuristas. O game me lembra uma mistura de Final Fantasy Tatics e Zelda, com apenas as utilização do direcional para se movimentar e atacar. Mas o que mais me chamou atenção e da esposa foi a arte, super atrativa e ainda mais para o público feminino. Eu curti bastante! Mas acabei não encontrando informações sobre a data de lançamento dele para PC e Ps4, mas espero que seja em breve.

__________________________________________________________________

Os pontos positivos foram:

  • Jogos simples com visual super atrativo
  • Lembra Zelda com Final Fantasy Tatics
  • Ótimo para o público feminino

Os pontos negativos foram:

  • Não achei nada sobre a data de lançamento dele para Ps4 e PC

__________________________________________________________________

Call Of Duty aí aí aí! Sei que muitos vão virar a cara, mas eu tenho um caso e amor e ódio com ele. Amor porque os Call Of Duty´s como: Modern Warfare 2 e Call Of Duty World At War na minha opinião são jogos fantásticos e fizeram a minha alegria anos atrás jogando online. E o ódio? Justamente porque depois dessas versões a franquia tem descido "ribanceira abaixo" em todos os quesitos.

Jogar MWF2 e CodWaW era uma experiência única de habilidade, risadas (Alow Clã GET! É o Aço! ) e muitas horas de diversão. Com o tempo essa temática futurística de pulos e sair voando fez COD perder sua essência e acabou sendo superado e MUITO por Battlefield. E ainda mais no ano passado, quando Battlefield resolveu investir na Primeira Guerra Mundial e foi um sucesso avassalador, acabando com o fraquíssimo Call Of Duty Infinite Warfare lançado no mesmo ano.  Até que a Activision se tocou que essa fase futurística já tinha dado tudo que podia e resolveu voltar ao ponto inicial onde COD com - Segunda Guerra Mundial.

Com isso minha expectativa no jogo voltou e não pude conferi-lo na BGS. O jogo voltou ao seu melhor estilo: gráficos bonitos, jogabilidade clássica, armas clássicas e sem pulos (aleluia!). Tudo aponta para um modo história que conta com elementos reais da Segunda Guerra Mundial como: nazistas, tanques, mortes, armas clássicas, aviões de combate, cenários que existiram na guerra e muito... mas muito tiro. O que me incomoda um pouco ainda são os mapas multiplayer serem pequenas demais e que acabam não criando uma alternativa de jogatina mais tática, fica tudo muito na "maluquice" de sair correndo que nem um louco e atirar. No MWF2 e CodWaW isso era muito equilibrado, afinal você está em uma guerra e não é maluco de sair correndo em meio ao nada e querer virar um "tiro ao alvo ambulante". Em MWF2 e CODWaW era assim - Correu de graça! Morte na certa! E hoje me parece que correr que nem um maluco é normal em jogos FPS. Não tem muito mais tática! Estou no aguardo desse novo COD para dar uns "tirinhos clássicos de sniper" nos adversários e torço para que ele volte a sua raiz.

O estande da Activision (que só encontrei no final!) era um dos maiores da feira e ainda com uma lojinha clássica para os fãs de COD. Com bonés, camisas, canecas, pôsters e tudo mais. Quem é fã de COD ficou bem feliz com que viu. Tinha até uns caras vestidos de soldados da Segunda Gerra Mundial e não pude deixa de tirar foto com eles.

__________________________________________________________________

Os pontos positivos foram:

  • Voltou as origens - Segunda Guerra Mundial
  • Sem pulos
  • Jogo para amantes de guerra
  • Ótimos gráficos e jogabilidade

Os pontos negativo foram:

  • Mapas Multiplayer muito pequenos
  • Sem qualquer tipo de estratégia - Corra! Morra! Corra! Morra!

De games foi isso vi pessoal! Depois disso chegou a hora de  comer e aqui fica uma curiosidade que poucos comentam e não posso deixar barato (eu gosto de comer e cozinhar!), que foi: - Área de alimentação.


Alimentação

Como saco vazio não fica em pé fomos para área de alimentação. Tinha realmente muito opção de comida, mas infelizmente acabamos escolhendo uma ruim e digo: - MUITO RUIM. Fui almoçar na Wessel (entra no site e dá uma olhada!) e que para não conhece é uma marca de de hamburguês, carnes, salsichas e cia, com mais de 100 anos de tradição e muito boa por sinal, quando posso compro no supermercado. Eu pedi um hambúrguer e a esposa um cachorro-quente e digo para vocês: - Estavam horríveissss! Meu hambúrguer tava com gosto estranho (medo de comer algo estragado! Já fiquei 7 dias internado por comer Mc Donalds estragado >..<!) e o cachorro-quente da esposa tava com o pão queimado e duro. E ainda por cima paguei caro pelos dois! Será alguém também passou por esse problema? Minha esposa levantou a hipótese de ali ser somente algo como o nome Wessel e não realmente a empresa (enganação?!). Mais tarde acabamos comendo uns yakisoba com uns guiozas, que também não estavam lá muito bons, mas dava para comer... mas BEM melhores que qualquer coisa dessa Wessel.

__________________________________________________________________

Os pontos positivos foram:

  • Grande variedade e espaço

Os pontos negativos foram:

  • Comida horrível da Wessel
  • Preços caros

Nolan Bushnell

E chegou um dos momentos que me surpreenderam na BGS e o melhor de todos sem dúvida. O "Meet and Greet" com Nolan Bushnell. Vou ser sincero, eu já tinha perdido a noção de tempo na BGS e o horário do "Meet and Greet" com o Nolan, que era às 17:00hrs e já estava desistindo (imaginando uma fila monstruosa!), até que minha esposa me informou do horário (eram 16:00hrs ainda!) e lá fomos. Acabamos chegando com 1 hora de antecedência e para nossa surpresa o pessoal da BGS tinha nos informado que não tinha mais espaço na fila para entrar. Mas nessa hora fui insistente e fui até a fila e percebi que não tinha quase ninguém lá ainda (pessoal informou errado!). Entramos na fila e lá ficamos até a hora de ver Nolan Bushnell.

Caso você não conheça Nolan Bushnell, ele é simplesmente o criador do Atari e possivelmente o da indústria de videogames caseiros. Mas voltando, ele chegou todo simpático e até orientou os organizadores que não ficaria sentado e sim em pé para receber todos para as fotos (humildade). Tenho que dizer que ele é um simpatia em pessoa, ele dançou, brincou, abraçou todos e parecia MUITO feliz ali. Até um pouco antes ele fez alguns comentários no microfone, agradecendo todos e dizendo que videogames eram isso: - A reunião de todos para diversão. Vi várias pessoas com seus Atari's em mãos para ele autografar e era nítida a felicidade deles. Quando chegou nossa hora cumprimente-lo o agradeci por tudo em meu inglês "fajuto" e ele nos cumprimentou fortemente e posou para um foto com a gente. E ainda assinou meu livro sobre o Atari =) Realmente foi uma honra pode ver esse cara e agradecer ele. Videogame é uma das minhas paixões e como certeza estarei com a mesma idade dele um dia (74 anos) e feliz por estar nesse meio junto com as pessoas que amo. Tenho que muito em agradecer a insistência da esposa em ir ver ele, talvez nunca tivesse passado por esse momento se não fosse ela.

......................

......................

__________________________________________________________________

Os pontos positivos foram:

  • Nolan super receptivo e animado
  • Atendeu todos de pé
  • Tirou fotos com todos
  • Autografo para todos
  • Fez questão de cumprimentar cada um

Os pontos negativos foram:

  • Organização atrapalhada

Final

De final dei um volta nos arcades que estavam por lá e joguei Daytona (Amo esse arcade!). Tenho que dizer que os arcades estavam muito fracos perto do ano anterior. Quem foi ano passado viu a imensidão de que tinha, apesar dos problemas nos controles. E a galera curte mesmo ficar lá jogando o dia todo (vi isso em relatos do ano passado!)..

.....................

Depois fui fazer uma comprinhas básicas em algumas lojas, mas ainda sim vi que os preços lá eram meio caros (sou chato com preços!) Vi por exemplo que na Americanas um jogo de PS4, como por exemplo MegaMan Collection, estava sendo vendido a R$ 149,00 e no site a R$ 69,00. Como isso? Por ser um feira de games, eles deveriam fazer preços melhores ou igual aos sites. E assim estava o preço de outros jogos também. Meu aviso é! Fique esperto nos preços! Não é porque você está em um evento de games que tudo vai sair barato... pelo contrário! Pode sair mais caro.  Mas no final comprei algumas revistas, uma camisa do COD, um Hodor de porta (Hodor para segurar a porta! Entendeu?), peguei alguns brindes e fim.

E para fechar com chave de ouro acabei encontrando o Vovô Gamer! Não sabe quem é ele? Outro dia tava compartilhando a reportagem (minha esposa que enviou!) com o pessoal e já adianto, mais um tiozão super simpático e que nos recebeu e conversou, mesmo trabalhando na hora no estande da Sony. Confera a matéria sobre ele aqui: Vovô Gamer

..................


Opinião Final

O BGS desse ano teve seus pontos positivos, muito mais que pontos negativos. Eu tenho percebido que a cada ano a parte de PC tem superado a de consoles caseiros e isto ficou evidente esse ano. Mas essa é a tendência no futuro, mesmo com algumas pessoas reclamando disso.

Mas em um contexto geral foi um ótimo evento, pode melhorar CLARO, mas ainda sim é um local para você passear e se divertir em relação a games no Brasil e América Latina. Fiquei muito contente com a vinda dessas personalidades para o evento e espero que se repita nos próximos anos e quem sabe venha um Shigeru Miyamoto, David Wise e entre outros. Não consegui ver o Ed Boom esse ano, mas fiquei feliz em poder ver o Nolan e o Kojima que apesar do pouco tempo fizeram um grande impressão por onde passaram.

Eu ainda insisto que o evento deve ter mais espaço para pequenas lojinhas de fãs, mais arcades e espaços para jogatinas caseiras de retrogames e quem sabe abertura de pequenas áreas (mini estandes) para blogueiros e sites poderem fazer suas reuniões ali. Sei que o isso envolve custo, mas existem 1000 maneiras de resolver isso.

Parabéns ao pessoal do indie brasileiro. Vi uma evolução enorme em questão de jogos do ano passado para esse. Fique feliz em ver que o mercado brasileiro de games está evoluindo.

Bom pessoal, fica aqui meu relato sobre a BGS 2017. Espero que tenham gostado e não deixem comenta logo abaixo. Fica novamente aqui meu agradecimento ao Diogo e a Cris por toda ajuda e paciência. Nos vemos ano que vem! Grande Abraço Ivo.


Minha paixão por jogos da SNK

Minha Querida SNK

Era final de 1996 e começo de 1997 e lá estava euzinho indo para casa de um grande amigo, para aquela velha jogatina clássica de games. Até esse momento isso não era novidade nenhuma, fazia isso praticamente todo fim semana, como um ritual e que perpetua até hoje (come menos frequência!), mas o que aconteceu naquele dia? Pois bem galera, meu amigo tinha acabado de comprar um novo console e adivinha qual era? O famoso Neo Geo CD! E ali começou uma história de amor e carinho por essa produtora e seus jogos.

                                                               Prédio do meu amigo!

Mas voltando a esse dia, eu já conhecia o Neo Geo em anúncios clássicos de revistas e obviamente fliperamas em suas cabines MVS, quem viveu nos anos 90 sabe que qualquer lugar com fliperama tinha os clássicos como: King Of Fighters, Samurai Shadown, Metal Slug e outros, mas ter esse console em casa era outra história. O Neo Geo ou Neo Geo CD era um "videogame de elite" ou melhor dizendo... um console muito caro para os padrões brasileiros e até internacionais, muitas poucas pessoas tiveram ele e infelizmente não fui um sortudo em te-lo até hoje, mas por outro lado tive esse amigo que tinha Neo Geo CD e joguei muito ele.

                                                                        Fliperamas da NEOGEO - SNK - MVS

Quando cheguei na casa desse amigo ele disse: - Comprei NeoGeo CD! E não deu outra... Fomos todos correndo jogar! Para nossa surpresa um dos jogos que ele tinha comprado era justamente Art Of Fighting 3 e Fatal Fury 3. Dois jogos maravilhosos com músicas impecáveis (que logo vou comentar!). O Art Of Fighting 3 era meio durão, mas tinhas gráficos lindos, personagens gigantes na tela, uma trilha sonora maravilhosa, mas Fatal Fury 3 era o auge em quesito de jogos da SNK na época, ele reunia tudo que um bom jogo deveria ter: personagens carismáticos, lindos gráficos, abertura fantástica, trilha sonora perfeita e muita porrada. E foi ali em diante que comecei a gostar dos jogos da SNK e admira-los.

                                       Fatal Fury 3 e Art Of Fighting 3

Nesse tempo em jogatinas com Neo Geo CD tive a oportunidade de jogar outros jogos maravilhosos na casa desse amigo: Samurai Shadown 1,2 e 3, King Of Fighters 94, 95, 96 e 97, Savage Reign, Super SideKicks, Ninja Masters e Fatal Fury Real Bout, E jogamos muito! Muito mesmo! Foram muitas disputas divertidas! Mas não foi só essa alegria de jogar Neo Geo CD e jogos da SNK que me fizeram ser fã dela até hoje. Tem outros fatores que com o tempo a gente foi conhecendo e assim admirando.


SNK e Suas Qualidades

Trilha sonora - Se você não teve a oportunidade de ouvir... OUÇA as trilhas sonoras dos jogos da SNK em CD. São fantásticas e inesquecíveis! O engraçado que os CDs do Neo Geo CD funcionavam como CD de áudio também, com isso era possível colocar ele no CD PLAYER e ouvir as músicas (no próprio PLAYER de música do Neo Geo CD). Poucos pessoas sabiam disso ou ainda sabem, mas o mais engraçado é que naquela época a TV do meu amigo era ligado ao som dele (não existia Home Theater naquela época) e com isso gravamos as músicas em fitas K7, isso mesmo! Em fita K7! E ficamos ouvindo em nossos "radinhos de fita K7" com o fone no ouvido. Vou falar a verdade, fazem mais de 20 anos e ainda sim ouço as trilhas sonoras da SNK em meu celular ou até as vezes trabalhando, muitas outras pessoas pelo mundo são assim, tanto que existe uma tonelada de CDs de músicas comemorativos dos jogos da SNK em remix feitos por bandas ou fãs mesmo.

Personagens - Se tinha algo que a SNK sabia fazer com primazia eram personagens carismáticos e isso é indiscutível. Tanto que na minha opinião ela batia de frente com os personagens da Capcom de Street Fighter. Terry, Andy, Joe, Geese, Krauser, Rugal, Kyo, Iori, Athena, Kim e tantos outros eram e são personagens memoráveis até hoje.  E poder jogar com eles era algo realmente especial! Meus personagens prediletos sempre foram Terry, Kim, Geese, Joe, Andy e Athena, mas claro que também adorava outros como como Takuma, Ryo, Rugal e até de outras séries como Haomaru do Samurai Shadown. Resumindo, eram tantos personagens legais que não cansamos do jogar. Quando aprendíamos a jogar com um deles partíamos para outro!

                                                                                            Personagens da SNK

Carisma - SNK tinha algo que realmente era especial, que muitas produtoras hoje não tem e ou não fazem questão de ter. Ela tentava buscar no seu público o que ele queria. Se um personagem fazia sucesso, ela investia nele na próximo jogo, que foi o caso do Iori e Kyo e sua eterna rivalidade, todo ano eles ganhavam golpes novos, especiais, aprimoramentos e muito mais. Claro que isso acontecia com outros personagens, mas ela dava aquele toque especial justamente para esses personagens queridos. Ela também buscava algo com o mundo real, mas como assim? Muitos cenários de seus jogos de lutas dão baseados em ruas, avenidas e viadutos que existem, agora imagina você andando distraído e descobrindo aquela rua que vocês estava passando virou cenário de um jogo? Pois bem, isso aconteceu inúmeras vezes (No Japão! Claro!).

Arte - A arte feita por Toshiaki Mori, mais conhecido pelo apelido de Shinkiro. Ele criou uma inidentidade para série de jogos da SNK. Se você tivesse na rua e olhasse um fliperama com os desenhos dele... já sabia se tratava da SNK.  As capas de jogos e revistas eram sem dúvida itens de apreciação por muito gamers daquela época.

Brasil - Sim, você pode até duvidar mas a SNK tinha representação no Brasil e se chamava SNK BRASIL. E o que isso beneficiava a gente? Existiram jogos em português, fliperamas em grande quantidade, assistência técnica especializada, aqueles "colantes" no fliperama em português ensinando os golpes, lançamento como KOF sempre em paralelo com o Japão e USA, anúncios em revistas e cia. Tudo bem que isso pode ser pouca coisa hoje em dia, mas naquela época era algo praticamente inédito no Brasil. Tanto que qualquer gamer daquela época era conhecedor dos jogos da SNK e isso abriu as portas para outra coisa que vou dizer abaixo.

                                  Propagandas da SNK no Brasil

Animes - Isso mesmo os animes estavam explodindo no Brasil com a febre Cavaleiros do Zodíaco, Shurato, Samurai Warriors e outros. Aproveitando essa febre os OVAS da Fatal Fury 1 e 2 e o filme foram lançados no Brasil em VHS para o delírio dos fãs. Junto ainda vieram os animes de Art Of Figjting e Samurai Shadown (com um pouco menos de qualidade) O OVA 1 de Fatal Fury foi a primeira que vi em VHS e acabei delirando. Ver personagens como Terry, Andy, Joe e Geese que joguei tanto em ação na minha TV era mágico. Mas o que mais surpreendeu foi que acontece algum tempo depois!
Nessa mesma época na TV Manchete (que passava Cavaleiros do Zodíaco!) existia um programa que passava toda sexta-feira, esse programa nada mais era que um apanhado de animes que foram vendidos a Manchete para serem exibidos com o nome U.S Mangá Brasil. Neles passaram animes como: Detonator Orgun, Gall Force, Genocyber, M.D Geist, Zeorymar e outros. Bom, assistia prontamente toda sexta esse programa ao ponto de ver que eles estavam repetindo os mesmos animes 50 vezes e quando tava quase desistindo o que me surge? Simplesmente o OVA 2 de Fatal Fury intitulado de Fatal Fury 2: Desafio de Krauser. Era um OVA de 60 minutos que foi divido em 3 partes (3 sextas-feiras! Com episódio de 2o minutos! ) nesse programa e foi o delírio para mim e muitos garotos daquela época. Esse anime contava com a participação de novos personagens como Kim, Krauser e a volta com Joe, Andy e Terry. Eu nem sabia da existência desse anime e olha que era um frequentador assíduo de locadoras em busca de animes. O sucesso foi tanto nessa exibição que logo em seguida vieram outros animes como Samurai Shadown e Art Of Fighting a serem exibidos no U.S Mangá Brasil. E para fechar com chave de ouro algum tempo depois consegui assistir em VHS emprestado de um amigo o filme do Fatal Fury, que fez aquele garoto de 15 anos sair do quarto alucinado-feliz-contente-euforico em ter assistido.


SNK e Seu Fim

A SNK infelizmente deixou seu legado de consoles logo após o Neo Geo CD. Apesar de todos os jogos, personagens e sucessos a empresa não conseguiu se mantar no ramo de consoles e competir com Nintendo, Sony e Sega nos anos seguintes. E isso repercutiu na SNK BRASIL que teve suas atividades também encerradas para infelicidade de todos os fãs. Mas isso não era o FIM de tudo, apesar de parar em consoles ela continuo lançando seus jogos para outras plataformas e fazendo a alegria dos proprietários de Playstation 1 e Saturno. E acredito que esse foi o ponto alto para aqueles que nunca tiveram a oportunidade de jogar Neo Geo CD ou Fliperamas e conhecer os jogos dela. Vale lembrar que essa época ocasionou com a pirataria de CDs de Playstation e cia que explodia no Brasil. Então comprar jogos como King Of Fghters 97 por R$ 10 era tudo que qualquer gamer queria naquela época.

Sem dúvida um dos que mais joguei foi King Of Fighters 97, Fatal Fury Domined Mind e Samurai Shadown 4 de Playstation. Joguei tudo na casa dos amigos, infelizmente não tive Playstation 1 e o jeito era viver na casa dos amigos. Mas mesmo assim aproveitei muito a jogatina desses clássicos da SNK.

Anos depois a SNK foi comprada por um empresa de Pachinko, que simplesmente fez ela sumir do ramo de videogame por anos até que novamente ela foi comprada por ex-funcionários da SNK original e passou a se chamar SNK Playmore que trouxe algumas coisas boas como Snk Vs Capcom e Samurai Shadown 6 e outros jogos, mas de longe já não era mais a SNK que amávamos nos anos 90. Anos atrás a SNK Playmore foi vendida a uma empresa chinesa que retornou ao nome SNK e como o logo clássico "The Future Is Now" e tem trazido boas novidades aos fãs com novo King Of Fighters XV e a animação chamada King Of Fighters Detiny.

Caso você queria saber toda a história da SNK você pode acompanhar essa série no Youtube que conta toda a história dela em detalhes e em português. Se você tem curiosidade em conhecer ou é fã não deixe de assistir.

Minha paixão pela SNK nunca me deixou e até hoje jogo games clássicos dela e tenho um sonho em um dia ter um Neo Geo CD na minha casa. E torço muito por ela voltar a ser grande essa nova empreitada com essa aquisição de empresa chinesa. Sem dúvida elas me trazem ótima lembranças e me fazem divertir muito! Então se quer curtir e lembrar dos jogos da SNK não deixe de alugar aqui na Locadora Resident Ivo, temos uma porrada de games dela para você matar a saudade e sair na porrada com velhos amigos.

Grande Abraço pessoal! Fico por aqui! E não deixem de comentar.
Ivo.

 


Minha Vida Gamer – Parte 3


E chegamos na terceira parte da trajetória "Minha Vida Gamer" aqui na Locadora. Para quem ainda não leu as Parte 1 e Parte 2 e está por fora, essas matérias contam minha jornada nos videogames até os dias atuais. Agora na Parte 3 vou contar sobre a "época de ouro" dos videogames e onde ganhei o meu console predileto até os dias de hoje. Então vamos lá! Tem muita história legal nessa 3º parte.


Grande Dia!

Era 1992/1993 os anos que a "Guerra Dos Consoles" se seguiam, com Nintendo e Sega disputando o mercado ferozmente com seus jogos e consoles. A Sega saiu na frente lançando seu Mega Drive em 1989 e acompanhado do estrondoso sucesso Sonic. A Nintendo que já tinha se despedido do Nintedinho lançou no final 1991 seu Super Nintendo em resposta a Sega, com isso a disputa fazia a alegria de todos os gamers naqueles anos. Bom, como eu me encaixo nisso? Lá estava euzinho com 11 anos e ainda desfrutando alguns joguinhos de Master System (quer saber a história do meu primeiro console? Clique aqui!) e indo no boteco perto de casa, para ver os gamers se digladiando com Street Fighter 2, o jogo sensação do momento entre 11 de cada 10 gamers.

Meu aniversário estava se aproximando (como sempre!) e lá estava meus pais sempre me olhando jogar videogames. Eles perceberam que meu gosto por videogames crescia. Até que um dia meu pai resolveu me levar em um vendedor do Paraguai (muambeiro!). Nem sabia se iria ganhar um presente, ele simplesmente disse para acompanha-lo  Esse muambeiro morava na Conselheiro Nébias (uma Avenida famosa em Santos-SP) e lá fomos de carro, que era um Scort azul piscina que amava. Vou ser bem sincero, não consigo me lembrar nada do trajeto de ida e somente da volta (que vou contar já já!). Ah sim, como ele descobriu esse vendedor? No famoso jornal "Primeira Mão" =) Que era um jornal de anúncios de lojas, carros e toda bugiganga que você possa imaginar e inclusive videogames (tempos sem internet!).

                         

Bom, chegando no prédio do vendedor subimos as escadas e ele nos recebeu em frente a porta do seu apartamento. Entrei na sala dele até que alguns segundos depois olhei para o sofá e LÁ ESTAVA ELE.. Sim o melhor videogame de todos os tempos (chora seguistas!) o SUPER NINTENDO. Meus olhos brilharam, fiquei sem fala, coração bateu forte, senti uma sensação que até hoje me lembro: euforia + alegria + surpresa x 10.000. Ele tava todo bonitinho com a caixa em cima do sofá e era o Super Set que vinha com Mario World e dois controles (ainda consigo me lembrar o cheiro da caixa nova!). E nessa hora meu pai disse:

" - Quer de presente Ivo?"

Nem me lembro se falei algo, mas meu olhar deveria estar escrito "SIM SIM SIM SIM!!" com toda felicidade do mundo e meu pai deve ter sentido/visto também. E aproveito e abro um trecho a parte, antes de continuar a história. Acho que mais que um presente, um abraço, um elogio o que realmente faz um pai e mãe felizes é o brilho de felicidade no olhar dos filhos... "o brilho da felicidade". Mas voltando, quando já tava pegando a caixa do Super Nintendo, o vendedor chegou e me disse:

" - Olha!!! Você poder escolher entre esses dois jogos para levar!"

E quais eram esses dois jogos? Um era Mario World que vinha com o Snes, mas e o OUTRO? Nada menos que "STREET FIGHTER 2". Sim, estou falando sério! Imagina você que sempre ficou naquele boteco vendo todo mundo jogar Street Fighter 2, com aqueles gráficos maravilhosos, Hadoukens, Shoryukens e cia e ter a oportunidade de jogar ele no conforto da sua casa?! Eu amava e amo Mario, mas depois de exatamente 2 segundos (que todo mundo vai dizer que foi muito tempo para pensar!) eu escolhi levar SF2. Meus olhos estavam brilhando por ganhar um Super Nintendo, imagina em levar um Super Nintendo com SF2?! Sem dúvida essa é um das lembranças mais felizes da minha vida gamer.

Meu pai pagou o vendedor e lá estava euzinho saindo do prédio com a caixa entre meus braços. Eu acho que fiquei tão anesteziado com tudo aquilo, que até hoje não consigo me lembrar nada do momento que saí do apartamento do vendedor até o carro do meu pai. É como tivesse entrado em uma outra dimensão e voltado a vida só quando sentei no banco de trás do carro do meu pai. E nesse momento que sentei no banco de trás do carro é que ficou registrada com uma das lembranças mais fortes que tenho da minha infância, foi ali que eu abracei meu Super Nintendo como fosse a coisa mais importante da minha vida e no olhar agradeci meu pai. Foi um momento mágico, inesplicavél, sensação alegre, feliz, realização de um sonho... "o momento de um garoto de 10 anos".

Ficava olhando aquela caixa do Super Nintendo nos meus braços com vários anúncios de jogos espetaculares na parte de trás, praticamente hipnotizado.
Gostaria muito que meu pai tivesse vivo para perguntar qual era a minha cara naquela dia, mas com certeza absoluta ele iria responder:

" - Felicidade! Total felicidade!"

Então, fui abraçado com meu Super Nintendo até minha casa. Chegando nela meu pai tirou o console da caixa para ligar na TV e aquele cheiro de coisa nova tomou o ambiente e causava uma sensação maravilhosa em todos e especialmente em mim. Meu pai, minha mãe e até meu irmão estavam reunidos ali para ver o Super Nintendo funcionando. Meu pai instalou ele na TV depois de algumas dificuldade técnicas, mas no final ele colocou o cartucho no Super Nintendo e lá estava o simbolo da CAPCOM e a tela de SF2 absurdamente linda em nossa TV e prontos para jogarmos.


" ... o momento de um garoto de 10 anos.
"

Eu era o único que tinha Snes, afinal comprei ele praticamente um ano e meio depois do lançamento. E nem preciso falar que enquanto jogava o Snes com SF2 em casa, os meus amigos viviam em botecos lotados de pessoas tentando jogar SF2, pelo menos uma vez. Mas depois de um tempo contei para eles que tinha ganhado um Super Nintendo e minha casa virou um "boteco" de amigos para joga-lo. Eu adorava tanto aquele jogo que passei muito tempo sem alugar nada, jogava ele todos os dias e inclusive durante a semana. Eu vinha do colégio, almoçava e ia direto para o quartinho da minha mãe passar a tarde jogando SF2, tanto que fechei com todos os personagens e inclusive no último nível. Alias, em uma conversa de ponto de ônibus entre dois garotos, ouvi eles dizendo que se fechasse no último nível sem "continues" você iria ver o final especial do jogo... e lá fui euz tentar terminar (sem ao mesmo pensar que era mentira!) sem continues e no nível 7. Eu consegui, mas somente com um esquema de apelação com a Chun-li, que praticamente deixava todos os personagens sem reação, mas quando fechei... realmente tinha um final especial e com a foto de todos os personagens juntos, isso foi um prêmio na época e acredito que para qualquer gamer que conseguiu também.


Primeiro Evento de Snes e Descobertas

No ano seguinte em 1993 ocorreu algo inédito na minha ex-cidade e talvez no Brasil. No Clube Atlético em Santos-Sp teve o primeiro evento de videogames que tive notícia chamado - TECTRON. Era um evento com várias lojas, fliperamas, videogames para jogar, venda de produtos, brincadeiras e cia. O destaque principal do evento era o lançamento de Star Fox de Super Nintendo, nos estandes a divulgação do jogo com Chip FX estava em destaque em todas as prateleiras. Quando vi esse jogo rodando em um Super Nitendo o meu queixo caiu! Fiquei maravilhado em ver aqueles gráficos e sonhei demais em ter esse jogo e nunca tive (Era muito caro! Só vim ter agora!). Nessa feira também joguei Game Boy pela primeira vez com Tetris e também Batman Returns de Snes em uma TV gigante, que nem sabia que exisita, também joguei um pouco de SF2 de Snes e bastante fliperama. Foi um dia muito divertido, me lembro que fui junto com meu amigo André e olha que tinhamos só 11 e 12 anos hahahaha XD

" ... No ano seguinte em 1993 ocorreu algo inédito na minha ex-cidade..."


Primeira Fase do Snes

Depois desse evento comecei a alugar jogos de Snes nas locadoras (depois de ter fechado tanto SF2!). Alias caso você queira saber mais sobre essas locadoras, você pode visitar as matéria aqui das "Queridas Locadoras" que conto um pouco sobre elas e as minhas locações. Mas voltando, depois de ter visto Star Fox na TECTRON, resolvi tentar alugar esse jogo na locadora e por muito tempo foi difícil conseguir. Nesse meio tempo aluguei vários outros jogos e comecei ver e entender a qualidade do Snes e meu entusiamo com ele crescia cada vez mais. Nessa época também gostava muito de levar meu Snes na casa de amigos, para jogarmos juntos, inclusive alguns jogos em "coop"  que jogavamos até fecharmos. Aluguei muito coisa mesmo, praticamente todo final de semana alugava algo. Nesse ínicio de esses foram os principais jogos que aluguei:

  • Top Gear
  • Tartarguas Ninjas - Turtles In Time (meu irmão que alugou!)
  • Final Fight 1 e 2
  • Rushing Beat 3
  • Goof Troop
  • Alladin
  • Contra 3
  • Sunset Riders
  • Tiny Toon
  • Mickey - Magical Quest
  • Joe e Mac
  • Fatal Fury
  • ClayFighter
  • Road Runner's Death Valley Rally
  • Super Soccer Champ
  • Strike Soccer
  • Rival Turf
  • Chester Cheetah: Too Cool to Fool
  • Prince Of Persia
  • Captain America and the Avengers
  • Super Star Wars: Return of the Jedi
  • World Heroes
  • Star Fox
  • Rival Turf
  • R-Type 3
  • Power Atlethic
  • Rock Roll Racing
  • Goof Troop
  • Joe e Mac
  • Hook
  • Batman Returns
  • Battletoads in Battlemaniacs
  • Super Double Dragon
  • Super Star Wars: The Empire Strikes Back



Segunda Fase do Snes

Aqui foi onde comprei meus dois primeiros e únicos jogos de Snes. O primeiro jogo que comprei (sem ser SF2 que veio com o console!) foi Mortal Kombat 1. Na verdade queria comprar o Star Fox e fui até uma loja chamada DB Brinquedos, mas infelizemente ali não tinha e com isso a melhor jogo que consegui escolher foi Mortal Kombat. MK era outra sensação naquela época, com seus fatalities e sangue em todas as revistas de games. Então peguei ele e fui para casa jogar e joguei MUITO. Adorava jogar ele com meus amigos, me lembro que um dos grandes momentos foi conseguir lutar contra o "Reptile" embaixo da "The Pit". Para lutar contra ele era necessário vencer todos os 4 primeiros lutadores e sem tomar danos e por último arremessar o adversário na fase "The Pit", assim aparecia o ninja secreto verde chamado "Reptile". Sabe, eu era um garoto fascinado por segredos em jogos e sempre ficava imaginando se por trás deles e existia alguma fase secreta, personagem secreto, final especial etc... e em MK com toda aqueles ar de mistério não era diferente, sempre ficaquei reparando em detalhes para tentar descobrir algum segredo.

                     

O segundo game que comprei... adivinha qual foi? Mortal Kombat 2 claro! Não tinha como não ficar na expectativa do MK2, lendo todos comentários e aparecendo nas revistas de games, mas na compra MK2 tenho uma história curiosa. Comprar cartuchos de Snes era algo carissímo para época e meus pais começaram a sentir alguns efeitos financeiros (falta de dinheiro!) devido a vários fatores familiares e com isso a possibilidade de comprar MK2 original ficou muito difícil. Nós olhavamos os jornais todos os dias, tentando achar MK2 por um preço razoável e não conseguiamos. Até que um dia encontramos MK2 sendo anunciado por um preço muito abaixo do normal, claro que sabiamos que era pirata, mas não me importava... o que queria mesmo era jogar. Eu e minha mãe fomos durante semana e de tarde em uma loja chamada "Ligue Games" que fez o anúncio do MK2 por esse preço mais barato. Chegando lá minha mãe deu o dinheiro ao vendedor e recebi o cartucho e na hora claramente percebi que ele era pirata por causa do formato, mas como disse anteriormente: - QUE CRIANÇA SE IMPORTAVA COM ISSO NA ÉPOCA?!
Voltamos para casa e coloquei o cartucho no Snes e comecei a jogar e pouco tempo depois notei que tinha algo errado/diferente... eu tinha comprado nada menos que um versão BETA de MK2, ela tinha praticamente tudo da versão original, mas com algumas alterações "malucas". Os fatalities aconteciam no meio da luta... isso mesmo?! Se você fizesse o comando de fatality corretamente no meio da luta, você matava seu adversário. Porém isso não acabava a luta instantaneamente e fazia você ser vencedor, na verdade o que acontecia era que adversário que tomava o fatality e não lutava mais, com isso tinha que esperar o tempo acabar para ser o vencedor (veja no vídeo abaixo!). Isso se você tivesse tomado menos dano que o adversário, caso contrário o adversário ganhava mesmo morto pelo fatality hahahaha XD Outras maluquices do jogo eram: não aceitava nenhum código secreto de MK, o "Baraka" ficava voando na tela, os chefões ficavam no nível HardCore, independente se colocasse "Easy" no options (vencer o Kintaro e Shao Khan era difícil pakas!) e era possível dar fatality nos chefões, que não acontecia na versão original (mas com o mesmo efeito que citei acima!). Apesar de o jogo ser todo maluco, me diverti muito com ele e talvez até mais se tivesse comprado a versão normal hahahaha XD
Que nunca quis dar um Fatality durante a luta?

" ... e pouco tempo depois notei que tinha algo errado/diferente..."

Esse foram os únicos jogos de Snes que comprei naquela época, mas isso não impediu de jogar muitos outros e ainda mais  como vou contar na terceira fase abaixo.


Terceira Fase do Snes

Aqui começa a fase de ouro das locadoras e onde conheci meus amigos de jogatina até hoje: André, Alexandre, Christian e o Wagner. Como comentei em outros posts, essa época acabei conhecendo eles e com isso indo a Locadora Virtua Games (você pode ler sobre essa locadora aqui!) e conseguindo jogos emprestados. Bom, como não tinha como comprar jogos as locações e jogos emprestados invadiram minha casa. Essa também essa época foi o auge de lançamento de jogos de Snes, como: Donkey Kong 1, Yoshi Island, Final Fantasy 6, Mario RPG, Super Star Soccer 1 e 2, Super Street Fighter 2 e cia. Também tive a oportunidade de pegar vários jogos emprestados com o Wagner (ele tinha Super Nintendo!) e minha alegria com Snes não tinha fim, ele me emprestou jogos como:

  • Fatal Fury Special
  • Wild Guns
  • Metal Warrior
  • Super Star Soccer
  •  Phalanx
  • Aero Fighters
  • Art Of Fighting
  • Nosferatu
  • Undercover Cops
  • Megaman 7 (Amo esse jogo!)
  • Super Street Fighter
  • YuYu Hakusho  Tokubetsu Hen
  • Parodius

E muitos outros.

Foi sem dúvida a época que mais joguei Snes e até mais que no começo. O que mais adorava era poder jogar e compartilhar a jogatina com os amigos, afinal eles estavam jogando as mesma coisas e assim ficavamos horas conversando sobre isso (algo simples que não acontece mais!). Essa época o destaque ficou com Donkey Kong Country na casa do Alexandre e André e International Super Star Soccer que viviamos jogando também. Também foi aqui que fechei meu primeiro RPG na vida o Super Mario RPG, tudo bem que não entendia quase nada de inglês, mas mesmo assim joguei e fechei ele com muito orgulho.


Quarta Fase e última do Snes

Aqui fica um arrepedimento meu! Foi praticamente no lançamento de Donkey Kong Country 2 (No lançamento de DK2?! Você é louco Ivo!) que resolvi trocar de console e vender meu Snes e comprar um 3DO.  Sim, aquela inocência/ansiedade/PoucaCabeça me faziam querer desfrutar o que tinha de melhor no mercado de games e isso fez comprar um console de CD que era justamente o 3DO (você pode conferir minha história sobre o 3DO aqui!). Para minha lição de vida, vi um console de cartucho e final de vida ser melhor que o de CD, no caso o Snes em cima do 3DO. Mesmo no final da sua vida ele tinha jogos absurdamente legais e ainda muita coisa desconhecida que nunca tinha jogado.  Infelizmente não joguei Snes nessa época em casa, mas mantive a jogatina viva dele na casa dos meus amigos e olhando aqueles jogos maravilhosos de Snes.

" ... Foi praticamente no lançamento de Donkey Kong 2 que resolvi trocar de console e vender meu Snes ..."


A despedida do Snes que nunca aconteceu

Bom, o tempo passou lá estava jogando o Snes (em emuladores principalmente!) em meio aos consoles novos que surgiram praticamente durante esses 20 anos. Na verdade só fui realmente entender o valor histórico, na minha vida, nos tipos de jogos que amo anos depois. Para ser mais exato percebi/entendi o porque adoro COMPLEMENTE jogar  Snes de uns 6 anos para cá. Jogar ele não é só pelo fator nostalgia como muitos acham... existe uma simplicidade nos jogos, diversão, o fator tempo de jogatina (acho que o tempo desses jogos são perfeitos para quem não tem tempo de ficar 200 horas jogando um game!), as descobertas, as histórias, biblioteca infinita de jogos deconhecidos e muitas outras coisas.

Apesar de estar antenado nos consoles atuais, ainda acho que além todos esses fatores que citei acima (do Snes!) a maioria dos jogos atuais falta um "toque especial" e isso me frusta muito às vezes, mas por outro lado venho percebendo que essa essência que os jogos de Snes e outros consoles antigos possuiam está ficando mais evidente, tanto nos jogadores e produtoras atuais, que cada vez mais estão tentando traze-los de volta... sendo histórias, games, remakes ou até lançamentos para esses consoles antigos. E assim que cada vez vejo gamers voltando a jogar Snes e seus jogos, não pelo fator modinha e ser famosinho (que nem quero comentar!), mas sim pelo prazer simplesmente de jogar esses jogos e sentir o que não tem na maioria dos jogos atuais.

Poucas pessoas saibem a importância e felicidade em ter meus momentos sossegados em estar jogando Snes no meu cantinho. Não me importo com os gráficos, jogabilidade que muitos dizem estar ultrapassados, de me chamarem de velho, de saudosista, de querer lembrar uma época que já passou... jogar Snes para mim são momentos/agradavéis que envolvem o prazer de jogar algo que me deixou/deixa/deixará/ contente sempre. E fico muito feliz quando descubro pessoas que sentem isso por ele (E outros consoles também) também e conseguem entender como ele faz parte das nossas vidas.  E mesmo aqueles que não sentem isso por ele ou por qualquer outro videogame, torço para que encontrem isso em qualquer outra atividade... porque são momentos como esse que fazem você se sentir único. Saudações para eterno Snes!!!

E aqui finalizo mais um parte da minha história gamer e espero que tenham gostado.

Um grande abraço para vocês. Ivo.


Outras Histórias Minhas

  • Eu já fiquei com tanta raiva jogando Street Fighter 2 e tentando fechar no nível 7 que soquei tanto o controle que quebrei ele.
  • Eu já coloquei durex no cartucho do MK 1 para ver se dava algum "TILT" e aparecia algo secreto no jogo.
  • Eu já tirei um cartucho ligado no Snes ligado e coloquei outro para ver se acontecia algo.
  • Eu guardava os fios, controles e jogos do Snes em uma caixa de sapato.
  • Eu fechei DK em um dia porque peguei um cartucho pirata sem bateria.
  • Aluguei Goof Troop (Pateta) achando que uma jogo de Golf.
  • Já aluguei um jogo com manual na locadora e não devolvi o manual.
  • Eu tinha um cardeninho que anotava dicas de jogos e os que fechei.
  • Jogava Snes em uma TV de 14 polegadas.
  • Joguei Snes em uma TV de 8 Polegadas.
  • Eu participei de 2 campeonatos de Snes - International Super Star Soccer 1 e 2 e cheguei na quartas de final.
  • Joguei Final Fantasy 6 sem saber nada de inglês.
  • Aluguei jogos pela capa e nem sabia que se tratava o jogo.
  • Conheci um amigo no colégio (que é meu amigo até hoje) porque descobri que ele tinha o Game Genie.
  • Juntava 5 amigos para alugar todos os jogos em na minha ficha e devolver quase 1 semana depois os jogos na promoção da locadora.
  • Minha mãe já esbarrou na tomada e desligou o Snes quando eu estava prestes a fechar um jogo.
  • Deixei o Snes ligado em Contra 3 o dia todo para fazer pontos e ganhar vidas na primeira fase para tentar terminar ele.
  • Joguei International Super Star Soccer Deluxe com Multi-Pad com 4 jogadores.
  • Ainda compro jogos de Snes.
  • Ganhei um Snes da minha esposa.
  • Ainda sou Nintendista e luto contra a Sega e seu Mega Drive (p.s no boa e velha rivalidade!).
  • Ainda tento convencer pessoas a jogar Snes.
  • Eu queria trabalhar na Playtronic na época.
  • Alugava os mesmos jogos repetidamente.
  • Já terminei mais de 50 jogos de Snes.
  • Jogos Snes com filtros de qualidade.

Minha Vida Gamer – Parte 2

 


E hoje vou falar da segunda parte da trajetória da "Minha Vida Gamer" e posso dizer que é aqui começo me chamar de "gamer". Afinal foi nessa época que ganhei meu primeiro console (somente meu!) e comecei a descobrir a alegria de alugar jogos, comprar revistas e muito mais. Mas antes de falar desse meu primeiro console, tenho que contar sobre sobre o console anterior que tive contato, mas que era do meu irmão. Então bora lá para da "Minha Vida Gamer - Parte 2"


O COMEÇO + PARAGUAI

Era mais ou menos 1987/1988 e a moda de produtos do Paraguai em feiras, lojas e muambeiros explodia em todos os lugares do Brasil. Afinal comprar coisas no Paraguai era muito mais barato que em qualquer lugar do Brasil com sua inflanção de 500% ao mês. E nisso sempre quando sobrava um dinheiro dos meus pais, eles compravam produtos do Paraguai de alguns vendedores que eram conhecidos deles e que sempre iam em casa. Foi em uma dessas visitas que um senhor (não me lembro o nome!) apareceu com uma sacola gigante e nessa sacola tinha o NES ou como costumamos chamar - Nintendinho. Era aniversário do meu irmão e meu pai não pensou duas vezes e acabou comprando... Segundos depois lá estava meu irmão jogando o Nintendinho. Bom, como o console era do meu irmão, joguei muito pouco ele. Sim! Eu e meu irmão tinhanhos uma relação um pouco afastada em questões de fazer as coisas juntos e dificilmente compartilhavamos uma jogatina juntos. Como disse, não jogava muito com ele, só em alguns ocasiões que ele me convidava (coisa boba né?!). Me lembro que um dos jogos que ele acabou me convidando para jogar foi o Cabal, um joguinho de tiro ao melhor estilo Wild Guns, que podia ser jogado de dois. Esse eu joguei bastante com ele e também o Tartarugas Ninjas 2 (a versão que era igual do Arcade!). Tinha uma locadora perto da minha casa, que não era bem uma locadora e sim uma loja de consertos de TV e outras coisas, com o nome de Eletrônica (que nome óbvio né!). Ali tinha vários jogos de NES para alugar e era justante nesse lugar que sempre alugavamos Tartarugas Ninjas. Meu irmão jogou alguns outros jogos como: Duck Hunt, Megaman, X-men e cia, mas foram bem poucos. Uma história engraçada é que ele descobriu um código para encher a energia no Tartarugas Ninjas 2... era só apertar o Select no controle que automaticamente a energia enchia, assim me lembro de ele ter fechado o jogo pela primeira vez e logo depois também fechamos juntos de dois jogadores. Bom, meu irmão com o tempo começou a se desinteressar por videogames (ele era 4 anos mais velho!) e com isso deixou o NES de lado e foi assim que comecei a jogar ele mais frequentemente, mas por algum motivo que não consigo me lembrar, ele acabou vendendo o NES e acabei ficando sem videogame. Mas pouco tempo depois acabei ganhando meu primeiro console que vou comentar logo abaixo. Sobre o NES?! Essa foi minha passagem com ele, algo curto e jogando poucas coisas. Uma pena! Foi um dos melhores consoles de todos os tempos e aproveitei muito pouco ele, mas mesmo assim valeu jogar alguns clássicos.


MEU PRIMEIRO VIDEOGAME! E SÓ MEU!

Quando éramos crianças a chegada dos aniversários era uma data mágica e na casa dos meus pais não era diferente. Meu pai sempre nos comprava um grande presente, apesar de ser aquelo garoto timído que não criava muita expectativa com isso, tanto que nem sabia o que escolher de aniversário em 1990. Por sinal nessa época passava um comercial da Tectoy muito legal, era de um garoto subindo uma torre com uma pistola, combatendo inimigos com ela e um helicóptero passando ao fundo com uma voz dizendo: MASTER SYSTEM!! Foi assim que minha mãe vendo esse comercial e sabendo que não sabia o que escolher de aniversário surgeriu:

”Ivo! Não te interessa aquele videogame que está aparecendo na TV? O Master System? De presente de aniversário?!”

Foi assim e por insistência dela que acabei escolhendo ganhar o Master System de aniversário. Me lembro que fomos em uma tarde na avenida Pedro Lessa (avenida conhecida perto de casa!) em uma loja de venda movéis para salas e quartos... isso mesmo! Uma loja de movéis! Loucuras que só existiam nos anos 80/90. E foi ali que meu pai acabou comprando o Master System, a pistola Light Phaser e um jogo chamado Futebol. Um kit completo para alegria de qualquer criança daquela época. Apesar de ele ter comprado o Master System com Futebol, esse foi o jogo que menos joguei, porque no final de contas na memória do Master System vinha dois jogos super legais: Safari Hunt que podiamos jogar com a pistola e o Hang On o famoso jogo de corrida de motos. O que mais adorava era o Safari Hunt, que usava a pistola e que ficava horas jogando, tanto que cheguei ao ponto de zerar a pontuação desse jogo. O Hang On achava muito difícil e o Futebol não me atraia bastante. Ah sim!! Ainda tinha um das coisas mais legais que acabei descobrindo... o jogo Labirinto (Snail Maze) na memória do Master System. Um jogo secreto que somente era acionado segurando os dois botões mais direcional para cima quando liguasse o console. Você controlava com um caracol e tinha que consegui atravessar o labirinto em um determinado tempo. Eram 12 fases e cheguei também a fechar esse jogo.. que na verdade ao terminar a fase 12 voltava para fase 1.


JOGOS DE MASTER SYSTEM QUE ALUGAVA

Antes de falar dos jogos que tive, vou comentar dos jogos que alugava. No começo não tinha muitos jogos (eram caros!), então o jeito era alugar mesmo e não faltava opções de locadoras perto de casa. Aluguei muitos e muitos jogos! Entre os melhores estão: Jogos de Verão, Shinobi, Mônica no Castelo do Dragão, Rastan, Olympic Gold, Kenseiden, Super Cross, The Luck Time Caper, After Burner, Eswat, Wonder Boy, Black Belt, Castle Of Ilusion e Dynamite Dux.

”Entre os melhores estão: Jogos de Verão, Shinobi, Mônica no Castelo do Dragão, Rastan, Olympic Gold, Kenseiden, Super Cross, The Luck Time Caper, After Burner, Eswat, Wonder Boy, Black Belt, Castle Of Ilusion e Dynamite Dux.”

Alguns tenho uma lembrança especial:

Jogos de Verão - Era muito divertido jogar com os amigos. Jogava na minha casa e de outros amigos e me lembro que fiz 9,8 no Surf, que era o esporte que mais gostava.


Eswat - Adorava esse jogo! Mas a lembrança que ficou marcada foi que cheguei no último chefe e não matei ele por uma "barrinha de energia". E tomei um lindo GAME OVER!
E até hoje não fechei esse jogo!


Black Belt - Um jogo que sempre achava legal mais que era impossível de fechar.


After Burner - Outro jogo que adorava, mas também achava impossível. Chegava até a parte dos mísseis teleguiados e depois GAME OVER.


Super Cross - Amava pular aquelas rampas e comprar peças para moto. Esse eu fechei com gosto!

Dynamite Dux - Um dos primeiros jogos que fechei no Master System. Amo esse jogo! Simples, simpático e desafiador na medida certa!


LEMBRANÇAS ESPECIAIS

Tenho duas lembranças especiais com o Master System. Uma foi com o jogo Mônica no Castelo do Dragão, que foi alugado por minha mãe (sem eu saber!). Esse jogo era a febre da mulekadinha e ainda mais por ter a Turma da Mônica. Um dia simplesmente minha mãe chegou e disse:

”Ivo tenho uma surpresa para você! Aluguei um jogo!!”

Claro que pensei que minha mãe tinha alugado qualquer outro jogo, ela nem entendia muito bem de jogos, mas quando olhei e vi escrito "Mônica no Castelo do Dragão" eu surtei. Joguei muito esse game, mas ele me frustava por ser muito díficil e nunca ter conseguido fecha-lo.


A outra é sobre Shinobi, quem me conhece sabe que adoro ninjas até hoje e um jogo de ninja era tudo que mais queria quando criança. Pois bem, um dia um maluco apareceu na minha rua querendo trocar o jogo Shinobi dele pelo meu jogo Futebol. Acredite! Trocar o jogo Shinobi por aquele joguinho mais ou menos de Futebol era o negócio da China. Não pensei duas vezes e troquei na hora com o garoto. E repeti essas palavras para ele:

”Trocado não tem volta! Heinnn!”

Ele acenou a cabeça com um "sim" e trocou o jogo. E lá fui para casa jogar Shinobi até meu dedo cair.

Até um belo dia fui jogar meu Master System com Shinobi e não achava o cartucho em lugar nenhum. Olhei em todos os lugares que costumava deixar minha coisas e nada de achar... Até que perguntei para minha mãe:

” Mãe! Você viu meu jogo Shinobi?”

Ela respondeu:

” Sim Ivo! Esqueci de te dizer que um garoto veio aqui em casa pedir esse jogo! Ele tava chorando e falando que queria o jogo dele de volta! E devolvi! Ah sim! E ele devolveu o seu Futebol!”

Minha cara na hora foi no chão! Minha mãe sempre foi boazinha demais! Olhei para cara dela e comentei:

” Mãe! Ele tinha trocado comigo e TROCA É TROCA! Ele não podia pegar de volta!”

Bom, fiquei muito bravo com minha mãe (algumas horas sem falar com ela! hahahahaha XD Não consigo ficar sem falar com ela muito tempo!) e depois disso nunca mais joguei Shinobi no meu Master System.


JOGOS QUE TINHA

Chegou a hora de falar dos jogos  tinha e obviamente são os que mais adorava,vou falar deles e algumas pequenas histórias que os envolvem. Tive um pequena quantidade de jogos de Master System e todos muito bem jogados e amados.

Alex Kidd MIracle World - O primeiro jogo que ganhei (depois do Futebol!). Foi um dos poucos jogos que joguei com meu irmão. Na verdade jogavamos eu, meu irmão e minha tia Vera, tanto que foi ela que depois comprou esse jogo para gente. E comprar Alex Kidd Miracle World naquela época era uma coisa F%$#$, porque era absurdamente caro (valor de uma moto hoje!), era um dos jogos mais completos e caros de Master System. Meu irmão adorava esse jogo e jogou muito para tentar fecha-lo, era o típico jogo que quando mais você passava as fases, mais você queria conhecer outras e termina-lo. Me lembro que a fase mais longe que meu irmão chegou (na casa da minha tinha quando levamos o Master System!) foi a que se passa dentro de uma monte (Monte Kave).  Depois disso, como disse antes, ele foi parando de jogar e a tarefa de detonar o jogo ficou comigo. E foi com muita insistência, jogatina que só fui fechar esse jogo anos depois. Me lembro fiquei muito tempo sem conseguir passar aquela fase do helicóptero (Terras Baixas de Bingoo) que tinha as bolinhas vermelhas, que se você batesse nelas já era. Mas um dia passei dela e segui até chegar no castelo do "JANKEN O GRANDE" e ali meu coração bateu mais forte. Foi faltando uma semana para vender meu Master System e comprar um SNES que acabei fechando Alex Kidd Miracle World. Foi uma grande alegria aquele dia, pena que meu irmão e tia já não se interessavam mais pelo jogo e não viram essa proeza minha.

Double Dragon - Outro jogo que alugamos na locadora e depois acabamos comprando. Foi outro jogo que joguei muito com meu irmão de dois jogadores. Era porrada do começo ao fim! Passavamos horas tentando fechar ele, mas nunca conseguiamos devido a última fase (do castelo!) na parte dos Abobos. Era engraçado que o jogo tinha continues infinitos, mas quando chegava na última fase, isso acabava. Então nunca conseguiamos passar dessa parte dos Abobos, que saiam da parede. Até que um dia, por uma simples brincadeira, resolvemos parar no começo desse último castelo e treinar um pouco. Falamos que iriamos passar 10 segundos fazendo cada um dos golpes... Voadoras, chutes, socos, giratórias, cotoveladas e só depois disso iamos seguir em frente. Mas o que não sabiamos era que se você fizesse 10 voadoras no começo do castelo, você habilitava o código de continues infinitos na última fase. Quando fizemos esse "treinamento" e chegamos na parte dos Abobos e vimos que mesmo morrendo os "continues" continuavam, ficamos de queixos caídos e felizes e nos perguntando como conseguimos aquilo. Até que nos tocamos do "treinamento". Depos disso, fomos até o final e ainda enfretamos o "Metralha" que era o último chefe que usava uma metralhadora... E vencemos ele! Desse dia em dia diante sempre faziamos esse treinamento para habilitar os continues infinitos e fecharmos Double Dragon.

Alex Kidd The Lost Stars - Alex Kidd era sinônimo de qualidade? Afinal, Alex Kidd Miracle World era um dos melhores jogos de Master System, certo? Pois bem, não é bem assim! Os outros jogos do Alex Kidd são bem ruins e ainda mais o Alex Kidd The Lost Stars, que é o pior deles. Eu peguei esse jogo por causa de uma troca do meu cartucho Futebol (percebeu que esse era meu jogo de troca né?!), achando que seria um bom jogo. Bom, me lasquei, porque o jogo era ruim, mas vou ser sincero que naquela época não me importava muito com isso e joguei BASTANTE ele até fecha-lo. Mas que com o tempo deu para perceber que o jogo não chegava aos pés do Miracle World e isso era um fato.

Sonic the Hedgehog - Aqui está o meu jogo predileto de Master System (empatado com o Sonic 2!). Sonic era uma febre absurda nessa época com o Mega Drive e claro que eu não tinha ele. Até que um dia em um anúncio da loja Mesbla, aqueles jornalzinhos que entregavam no correio, tinha a foto do cartucho Sonic de Master System a venda e minha e mãe me mostrou. Eu nem sabia que tinha Sonic para Master System nessa época, quando vi que existia não pensei duas vezes em pedir para minha mãe comprar. Fomos até essa loja e ela me comprou esse jogo.

Sonic the Hedgehog 1 de Master System é fantástico e digo que prefiro até ele mais que o de Mega Drige. Ele só perde para o Mega, na minha opinião, porque possui o Super Sonic. Eu adoro exploração e que os Sonics de Master System proporcionam. quando você tenta achar todas as esmeraldas. Joguei muitas, mas MUITAS vezes esse jogo e sabia todos os segredos, descobri todas as esmeraldas e fechei ele umas 100 vezes. Todo dia quando vinha do colégio, almoçava e sentava no quarto da minha mãe e passava a tarde jogando até fecha-lo. Me lembro daquele final com o Sonic no microfone cantando até hoje.


Sonic the Hedgehog 2 - Sim! Anos depois lá estava euzinho olhando os jornalzinhos da Mesbla novamente, quando encontrei Sonic 2 para venda. E lá fui pedir para minha mãe o Sonic 2 de Master, ela me deu (amo minha mãe!). Se o primeiro era demais o segundo era espetacular. Com mais fases, mais segredos, mais gráficos... tudo nesse jogo ficou melhor que o primeiro. Nele também ocorre umas das cenas mais legais da minha vida, com meu falecido pai (você pode conferir aqui no texto " Querida Revistas de Games"). Aquela fase da mina e que você pode andar no carinho, ficou marcada na minha mente até hoje. Comprei esse jogo em uma sexta-feira de noite, não pude jogar ele tanto quando cheguei em casa, porque era tarde já, mas no sábado de manhã acordei cedinho e lá estava me deliciando com esse jogo fantástico e com um sorriso de ponta-a-ponta no rosto (não me esqueço até hoje!).

Esse game também possui a busca pelas esmeraldas e suas localizações são mais difícies que do primeiro jogo, tanto que fiquei muito tempo sem descobrir a esmeralda da Gimmick Mountain Zone... E só descobri ela porque comprei a edição 29 da Ação Games (capa do Chakan!) e na parte S.O.S que os usuários mandavam cartas, alguém perguntou onde ela ficava e os editores responderam. Mas mesmo assim a foto onde indicava o local era bem ruim e demorei um pouco para descobrir onde ela ficava. Mas foi outro jogo que joguei muito e fechei com muito gosto. Sem dúvida uma das melhores alegrias que tive no Master System.


O FIM

Joguei Master System praticamente quando o Mega Drive e Snes já dominavam totalmente o mercado e decretando o fim da era 8 bits. No final resolvi vender ele para um dos amigos do meu irmão, que prometeu pagar em 8x vezes e no final não pagou nem a metade e desapareceu. Algo que me fez sempre pensar que jamais deveria ter vendido esse console e ter guardado com todo carinho. Tudo bem que alguns anos atrás consegui comprar o Master System, nas minhas buscas do Mercado Livre e recuperei alguns jogos que tinha na época como Sonic 1 e Sonic 2. E assim matei a saudade, apesar que ainda tenho que jogar alguns outros jogos que fizeram minha alegria. Alias um dos grandes incentivadores a jogar Master System é o Cadu do site GamerCaduco que conheci anos atrás e fala sobre várias relíquias de Master System e inclusive Sonic. Outra pessoa incetivadora, que me faz lembrar e ter vontade de jogar Master System é meu amigo Igor e um dos poucos seres nesse planeta que ouviu falar do jogo Rastan e Dynamite Dux de Master System. Em breve vou postar algumas jogatinas minhas do Master System aqui no blog. Aguarde!!!


FIM DA SEGUNDA PARTE

Bom essas foram as histórias do NES e Master System da minha da vida gamer. Em especial fica o registro do Master System... O meu primeiro console e que era incrível, cheio de jogos fantásticos e que fez a alegria de uma criança de 10 anos. Tanto que já fazem mais de 25 anos que tive ele e mesmo assim ainda está na minha lista de consoles prediletos. Uma pena a Tectoy não ter tido a ideia de lançar ele como está fazendo com o Mega Drive hoje. Mas quem sabe né?! Se for igual ao que tive e com jogos na memória, cartuchos igualzinhos iria pensar em comprar. Então finalizamos aqui! E fique no aguardo da terceira parte da "Minha Vida Gamer". Obrigado por ler e um grande abraço do Ivo.


Locadoras da Minha Vida – Parte 2


E voltamos a segunda parte das histórias envolvendo as minhas locadoras prediletas, afinal todos nos tinhamos nossas locadoras prediletas. E caso tenha alguma predileta, não deixei de comentar aqui sobre as suas. Então vamos lá! Hora de falar sobre mais duas locadoras prediletas minhas!


GAME BUSTER ou GB


A famosa Game Buster ou GB, uma locadora pouco conhecida, mas que fez muito minha alegria. Era uma daquelas locadoras pequenas de bairro e só era descoberta por quem morava perto ou acabava por acaso (que foi que aconteceu comigo!). Ela ficava praticamente ao lado do prédio da minha vó (mãe da minha mãe!) e foi assim que a conheci, se localizava na ponta da praia na rua Egidio Martins. A entrada era uma portinha bem pequena em um conjunto de apartamentos e lojas comerciais (você pode ver na foto!), mas ao entrar era um lugar MUITO LEGAL.. Primeiramente porque o foco de locações ali era nessa ordem: SNES (muitos jogos!) NES (alguns jogos!) e MEGA (poucos jogos!). E para euzinho aqui, que era apreciador do melhor console de todos os tempos o SNES (choraaaa Seguistas!), era o paraíso na Terra. Na GB conheci vários jogos lendários como: Star Fox, Street Fighter Champion Edition, Aleste, Top Gear, Lethal Enforces, Batman Returns, Tartarugas Ninjas, Sonic Wings, Super Soccer Champ, Final Fight entre outros.

Os jogos para alugar ali eram tanto japoneses, piratas ou originais... não importava qual era cartucho e sim o que alugar. E aluguei muita coisa lá! O dono era um cara cabeludo no maior estilo "Metal" e que desenhava muito. Me lembro que ele fez um desenho gigante em um traço profissional com vários personagens de videogames reunidos, ficou incrível!! Ele colocou em uma moldura de quadro e deixou na parede da locadora. Por vezes ele também colocava uma pasta cheia de desenhos na prateleira da locadora e os clientes ficavam vendo os desenhos. O que ele mais desenhava eram personagens de Street Fighter. Do lado de fora nas paredes da locadora também tinha desenhos/grafites com personagens de jogos e o nome Locadora Game Buster.

''Os jogos para alugar ali eram tanto japoneses, piratas ou originais... não importava qual era cartucho e sim era alugar."

Aos sábado ou domingos quando meus pais visitavam a minha vó e meu vô, acabava saindo do apartamento deles e ia nessa locadora, me lembro que na parte de trás tinha um quartinho e o dono e um amigo ficavam sempre jogando Street Fighter. Ficava impressionado como eles eram bons com o Zangiel (faziam o Pilão facilmente!), vamos ser sinceros, jogar com o Zangiel era uma tarefa praticamente memoravél na época.

GB foi uma locadora lendária na minha época, conheci muitas coisas ali... Me lembro que nunca consegui alugar o Street Fighter Champion Edition de SNES, essa época era a febre máxima e principalmente pela possibilidade de jogar com os chefes. Alias, diz a lenda que o cara ficou um mês seguido com Street Fighter Champion Edition alugada e depois nunca mais devolveu, será? Foi ali que conheci também um pseudo Street Fighter Maluco de SNES, que não era igual ao do fliperama (Street Fighter de Rodoviária), mas que era muito legal de jogar. O Dhalsim tinha uma rasteira que ia de uma tela a outra, Ryu dava Hadouken no ar e e outros bugs divertidos. Foi ali que também conheci o MEGA CD, sim o Mega Drive japonês CD. Em uma determinada época o dono colocou o console para os clientes jogarem uma hora (pagando! claro!). Vi vários jogos como: Final Fight CD, Sonic CD, Night Trap entre outros. Nem preciso dizer que achava mágico aquele "trambolho" da Sega, mesmo tendo uma Super Nintendo e amando ele.

.......................................Mega CD

Mas também tenho uma história triste sobre essa locadora...Teve uma época que eu queria muito alugar Lethal Enforces de SNES (aquele jogo da pistola!) e ia todos os dias na GB para ver se estava a disposição... e realmente fui várias e várias vezes! Cheguei ao ponto de ir duas vezes na locadora no mesmo dia. Resumindo... não consegui alugar, mas essa não é a história triste (pelo menos a principal!). Um sábado eu enchi meu pai para me levar na locadora de carro e saber se o jogo estava lá para alugar, meu pai nem queria ir, mas enchi tanto que ele resolveu me levar. Bom, saindo do estacionamento do prédio onde morava, o que acontece?? Um ônibus idiota bate na trasseira do carro do meu pai. Foi o maior prejuízo para meu velho... O busão quebrou todas as lâmpadas da parte traseira do carro. Me senti muito culpado esse dia por isso ter acontecido... afinal a probabilidade de alugar o jogo era quase nula. A decepção foi tanta que nem mais quis alugar esse jogo depois.

...............................Lethal Enforces

Apesar dessa história... a GB foi uma das minhas locadoras prediletas, aluguei muitos jogos ali. O final dela foi meio triste... Existiu uma época que a Policia Federal começou a fiscalizar as locadoras e apreender jogos piratas que elas deixam para alugavar. Então aquela grande quantidade de jogos de certas locadoras ficou pela metade devido a essa fiscalização e não foi diferente com a GB, que tinha vários e vários jogos piratas. Acredito que com isso o prejuízo foi imenso na locadora e ela começou a perder clientes e decretar seu fim, justamente por não ter quase nenhum jogo para alugar e seu amadorismo também (não no sentido negativo!). Não consigo me lembrar exatamente quando ela fechou as portas... mas não demorou muito depois dessa fiscalização. Até hoje o prédiozinho e as portas continuam lá, mas nunca mais abriram um negócio e virou moradia desde então.

Apesar de ser super simples a GB foi sem dúvida umas das locadoras mais importantes que passei... horas e horas olhando aquelas caixinhas para saber qual jogo alugar! Uma locadora que dúvido que alguém lembre hoje, mas que nunca vou esquecer.


VIRTUA GAMES A LOCADORA DOS FERASSSS!

................Virtua Games

Esse era o slogan da locadora predileta dos meus amigos gamers (amigos até hoje!), apesar de eles jamais admitirem isso. Era uma locadora que ficava na Alexandre Martins e o espaço dela no começo era menor que meu quarto de adolescente! Mas essa locadora tem muita história para contar, vamos lá!

.....Primeiro Local da Virtua Games

A Virtua Games foi apresentada por dois grandes amigos meus e que jogam videogame comigo até hoje - os irmãos André e Alexandre. Eles moravam no prédio ao lado do meu e também eram super aficionados por jogos de SNES (eles tinham um SNES na época!). Engraçado que acabei conhecendo eles um pouco antes dessa locadora ser inaugurada, mas voltando... o Alexandre um dia veio me falar que tinha aberto uma locadora de games nova na Avenida Alexandre Martins e que tinha gostado e feito a ficha de inscrição... A locadora se chamava Virtua Games.

Ele perguntou se não gostaria de conhecer?! Claro que disse sim e lá fui em um pleno sábado conhece-la! Nos reunimos todos cedinho em frente o prédio e fomos todos de bicicleta até essa locadora (eu, André e o Alexandre!) e chegamos até ela. Bom, a locadora ficava bem escondida em um prédio comercial, sua entrada era por um corredor lateral estranho e ainda depois tinhamos que entrar em uma porta e subir 2 andares para chegar. Agora imagina a gente subindo com as bicicletas nas costas esses dois andares?! Foi assim sempre quando iamos alugar jogos nessa locadora. Me lembro que fizeram até um brincadeira com umas plaquinhas informando quantos passos você tinha que dar para chegar até a locadora subindo essas escadas.

Era uma locadora pequena mas com vários jogos de vários sistemas e dois vendedores bem antenados sobre o que estava rolando no cenário gamer. E posso dizer que isso foi uma das principais armas dessa locadora e para o sucesso dela (mais a frente conto o que ela virou!). Os dois vendedores eram assim: conversavam sobre games, faziam tudo para se envolver com seus clientes e tentavam ao máximo ser simpático com eles. Um eu não consigo lembrar o nome o outro é um figura "estranha-conhecida-maluca-bizarra" o "Fábio da Virtua" como é conhecido.

''Um eu não consigo lembrar o nome o outro é um figura "estranha-conhecida-maluca-bizarra" o "Fábio da Virtua" como é conhecido."

Bom, no começo a locadora era assim, pequena e com todo o carisma que um local gamer podia ter. Ela tinha de posters, revistas, Tvs rolando jogos e tudo mais. E foi assim que fiquei sócio dela no dia que a conheci. Ali também conheci outro grande amigo que era conhecido do André e Alexandre... o Wagner. No final todos meus amigos de jogatina se conheceram ali - André Leal, André Cabeção, Alexandre, Wagner, Thiago e Christian e alugaram muitos jogos nessa locadora. Aproveitamos essa quantidade de pessoas e acabavamos alugando vários jogos em apenas uma ficha e assim podemos entregar em um prazo maior, essa era uma das promoções que a Virtua Games fazia muito. Ela também fazia promoções com refrigerantes, se você alugasse 2 ou mais jogo ganha um refrigente grátis... Kas Guaraná de preferência e amava esse refrigerente e principalmente o de acerola.

...........................Kas Guaraná

Outra tática da locadora para conseguir mais clientes era os campeonatos. Os famosos campeonatos da Virtua Games! Foram campeonatos de Street Fighter, Mortal Kombat 2, Super Star Soccer, Internation Super Star Soccer Deluxe, Street Fighter Zero, Killer Instinct e outros. Eu participei de dois campeonatos: o Super Star Soccer 1 e o Internation Super Star Soccer Deluxe. O primeiro me classiquei na fase de grupos e caí nas oitavas de final, mas já no ISSD cheguei na semi final e fui eliminado pelo campeão.... Me lembro de estar vencendo de 2x0 e ele virar o jogo! Nunca me esqueci disso! Mas ganhei várias partidas antes de ser eliminado e ainda fiz o gol mais rápido de todos os tempos hahahaha XD 3 segundos.

"Foram campeonatos de Street Fighter, Mortal Kombat 2, Super Star Soccer, Internation Super Star Soccer Deluxe, Street Fighter Zero, Killer Instinct e outros."

....................................................................................Jogos do Campeonato da Virtua Game

Meus amigos André e Alexandre também jogaram os campeonatos como Street Fighter, Street Fighter Zero, ISS, ISSD e Killer Instinct. Me lembro de uma das cenas mais clássicas de campeonatos que vi foi em Killer Instinct... o Alexandre estava nesse campeonato e perdeu a luta contra um maluco lá... o bobão largou o controle para comemorar e esqueceu que em KI você mesmo perdendo, fica tonto no final (para tomar um combo ou fatality!), mas se apertar os botões rapidamente pode voltar a luta com um pequeno life. E não é que o bobão largou o controle e o Alexandre apertou os botões rapidamente e voltou a luta e venceu?! Todos na locadoras ficaram vibrando e surpresos com a vitória dele! Outra cena maluca foi que o André uma vez simplesmente derrubou a pratileira inteira de jogos de Sega CD com aquelas caixinhas de acrílico... Fez o maior estrago em tudo! Ele pagou por ter quebrado elas? Nadaaa! Não pagou 1 centvado... muito cara de pau hahahahaha XD

..............................................................................Caixinhas de Sega CD

Joguei muito na locadora também com aquele esquema de uma hora. Joguei Playstation e NeoGeo CD e 3DO. Tanto que logo depois comprei meu 3DO... Sim eu tive um 3DO e comprei da  própria Virtua Games. Uma das piores compras da minha vida! Alias você pode conferir toda a minha história do 3DO aqui. Até hoje fico zangado de me lembrar do Fábio da Virtua me mostrando aquele console ¬¬ mas por outro lado tenho que admitir que ver o pulo de gráficos do SNES para 3DO com: Need For Speed e Road Rash fazia qualquer pessoa daquela época sonhar em ter o console. E não foi diferente comigo! Essa época de transição do 16 bits para 32 bits foi sem dúvida uma das melhores épocas da locadora! Tinhamos para alugar jogos de Saturno, Playstation, 3DO, NeoGeoCD e cia.  Época de Street Fighter Zero, Toshiden, Soul Calibur, Fatal Fury 3 e cia. Antes de surgir os piratas e acabar com tudo.

..................Caixinhas de Jogos de PC

Essa locadora depois de um tempo acabou aumentando o espaço devido ao sucesso. Ao lado da locadora tinha um academia de Kung-Fu e o que separava elas era uma parede. A academia por questões financeiras fechou e a Virtua acabou pegando o espaço dela. A parede que separava elas foi quebrada e o espaço da locadora aumentou e esse  espaço maior foi utilizado para Fliperamas e jogos de PC. Os fliperamas com os famosos King Of Fighters 96 e 97, Street Fighter de Rodoviária e os Metal´s Slug´s. Com o tempo colocaram também os fliperamas Kizuna Encounter (adoro jogos de Ninjas!) e Sonic Wings. E ao mesmo tempo dessa época de febre dos KOFs os jogos de PC estavam crescendo e a locadora começou a investir nisso. Ela colocou vários jogos de PC para locação como: The DIG, Star Wars, Full Throttle, Monkey Island e outros. Cheguei a alugar lá o Full Throttle para meu PC recém comprado - um Pentium 100mhz com 16 megas de memória.

Bom, como você pode ver a locadora só crescia e foi assim que de tanto crescer ela mudou de local. Acabou indo para outro lugar na própria avenida que ficava. Só que era um espaço melhor, maior e de fácil acesso. Essa época já não frenquentava tanto ela e as locações deixaram de exister para a compra de CDs Piratas e desbloqueios de console. Foi assim que nesse novo lugar a Virtua Games cresceu ainda mais e no final ela mudou mais um vez para outro lugar. Na mesma avenida e agora já também investindo em brinquedos para crianças e divulgação da TV (só fui 1 ou 2 vezes nesse local).

"Os fliperamas com os famosos King Of Fighters 96 e 97, Street Fighter de Rodoviária e os Metal´s Slug´s."

E por último ela se mudou para outro lugar, mas agora totalmente diferente e inclusive no nome. A Virtua Game virtou Moove e agora com vendas de brinquedos, jogos originais, acessórios, bonecos, consoles e cia... Uma loja com 2 andares e bem estruturada. Diz a lenda que ela foi comprada por um jogador do Santos Futebol Clube e agora o Fábio é apenas o gerente dela e não mas o dono. O espaço é incrível e todo planejado... No chão existe um linha do tempo de consoles originais (protegido por um vidro) que vão desde o Atari até Playstation 2, além de bonecos de lego gigante, um Mario na entrada gigante e muito mais.

..............................................................................................................................Moove

E assim foi o fim da Virtua Games ou melhor dizendo o começo da Moove. Para quem gosta de locadoras e viu uma locadora do tamanho de um quarto virar um loja de dois andares é algo que realmente fica difícil de esquecer... Ainda mais se você tem o sonho de abrir um negócio relacionado a games. A Virtua Games, aquela pequena mesmo, foi um lugar de encontros, histórias, locações, consoles, campeonatos, muita jogatina... mas o principal é que ali fiz grandes amigos que tenho até hoje e isso sem dúvida faz dela uma das locadoras mais inesquecivéis que tive a oportunidade de conhecer.


Minha Vida Gamer - Parte 1

A partir de hoje vou começar a contar a trajetória da minha vida gamer. Afinal são quase 30 anos de histórias, games, videogames, boas lembranças, amigos, dicas, locadoras, revistas e tudo mais. Sempre fui uma pessoa com uma memória pequena para certas coisas e gigante para outras e videogames entram justamente na segunda opção. Então começaremos com o clássico Atari, o primeiro videogame que apareceu em Santos-SP na Avenida Afonso Pena 691 apartamento 05 de uma família linda, feliz e que sempre estará junta não importa a distância


O COMEÇO

            ... Onde morava - Santos-SP

Eram os gloriosos anos 80 e um garoto miúdo, tímido, quieto, com cabelo bagunçado, vivia maior o seu maior tempo dentro de casa em seu quarto, fazendo histórias de ninjas contra monstros, lendo quadrinhos, brincando com seus comandos em ação, espadas, armas, carrinhos, SOS Comandos, e vendo desenhos na TV... Essa era o euzinho – o Ivo na sua infância. Tinha dias que fazia meu quarto uma peça teatral com direito a verdadeiras sagas ninjas com histórias que só a infância pode criar, mas algo veio adicionar mais alegria na infância do Ivo – o Atari 2600. Apesar de ser o primeiro videogame a jogar (adorava jogar ele!) admito que não foi meu predileto, mas ainda sim foi o pioneiro a me levar para um mundo de jogatinas, aventuras, controles, amigos e muito mais.

Na verdade não consigo me lembrar quando exatamente meu pai (João Carlos) comprou o Atari ou se foi meu irmão (Wagner) que ganhou de presente. Mas a lembrança mais antiga que tenho é de me sentar no quarto da minha mãe e jogar ele. Sim, o quarto da minha mãe era onde ficava a TV para essas jogatinas, afinal a da sala era para Globo, novelas, Sílvio Santos, futebol do meu pai. E caso tenta-se ligar o videogame lá… iria ouvir: Ligar o videogame nessa TV pode estragar!! ... Aquele velho papo de mãe e pais dos anos 80 e 90.

Mas voltando as lembranças do Atari… era 1987 e lá estava eu no quarto da minha mãe jogando ele e mais especificamente o game Galaxian. Por sinal ele é bem famoso nos Arcades dos anos 80 e foi portado para o Atari. Era game que adorava e um dos poucos jogos que conseguia uma grande pontuação (afinal eu só tinha 6 anos!). Me lembro de um dia que bati meu próprio recorde nesse game com 38 mil pontos, perto de um almoço e que minha mãe estava fazendo macarrão (eu amava macarrão!).

”Macarrão e videgoames não tem nada melhor!”

                      ... Galaxian de Atari  

Engraçado que não não via aqueles inimigos com naves alienígenas e sim como "mosquinhas"... Sim, imaginava que eram "mosquinhas" e não naves alienígenas querendo invadir a Terra.A mente de uma criança é sempre criativa, né?! No começo era minha mãe que ligava o Atari na TV, porque justamente não sabia ligar e existiam "milhões" de coisas para uma criança de 6 anos liga-lo: os cabos, caixinha seletora, fonte na tomada, controles e etc. Mas de tanto ver ela fazendo isso acabei aprendendo sozinho. Vocês lembram da caixinha seletora que ligava atrás da TV? Tinha sempre que ligar ela atrás da TV. Outro detalhe que era obrigação em casa, quando terminasse de jogar de colocar tudo em uma caixa e guardar embaixo da cama da minha mãe (minha mãe pega no pé com bagunça até hoje!). Posso dizer que foi um belo aprendizado instalar o Atari para jogar, aprendi sobre as voltagens de 220V e 110V na minha cidade, mudar os canais, ligar os fios… e que no final também serviu para ligar meus futuros consoles. Ahh! Sobre organização também >..< Eu sou muito chato com bagunça!


AMIGOS E FAMÍLIA

            ... Ivo com 8 anos

Eu era muito tímido (ainda sou!) e tinhas poucos amigos nessa época, mas com o tempo ganhei um amigo que alias tenho contato até hoje - o André (Cabeção como chamamos!) que morava no mesmo prédio e virou meu colega de jogatina por várias gerações de console. Ele também tinha um Atari e jogava muita coisa comigo, tanto na casa dele como na minha, mas ele sempre "se saia melhor " nos jogos hahahahaha XD Justamente por ser mais velho e ter mais coordenação que euzinho aqui (Jamais direi que ele é melhor!). Me lembro dele jogando o game futebol comigo e me goleando várias vezes, mas no Galaxian eu era melhor, apesar de ele não jogar muito. Os jogos que mais jogávamos eram: Enduro, Declathlon e Asteroides (ele era fera no Asteroides!). Jogávamos de dois jogadores uma game que tinha dois personagens a tela ficava subindo e você tinha que descer o mais rápido possível para não morrer... Mas o problema era que tudo é um labirinto. É o único game que não consigo me lembrar o nome.

”Quebrar Controle com Declathon!”

        ... Controle Atari Quebrado

Outro amigo que ganhei com o tempo foi o Márcio que era um cara mais velho (tinha o dobro da nossa idade!) e também morava no mesmo prédio e que no final jogou Atari comigo e o André várias vezes. Uma das lembranças que tenho é que ele destruiu um controle de Atari jogando Declathlon, que era do André (imagina a cara dele na hora?!). Mas quem nunca destruiu um controle de Atari jogando Declathlon?

Outro lugar que também jogava Atari era na casa da minha vó Ermezinda ou como chamávamos de vó Gorda e junto com minha tia Vera (que morava com ela!). Minha tia Vera jogava bastante Atari na época (ela também tinha!) e principalmente o Frostbit. Vou falar a verdade, não gostava muito do Frostbit, por ser muito difícil para mim na época. Eu tinha muito isso, achava que não era bom em um jogo, dizia que não gostava dele e ainda mais porque naquela época o importante era fazer pontos (não existiam jogos com finais!) e minha pontuação era sempre a pior (Eu tinha só 6 anos tá!!). Claro que isso com o tempo mudou, mas foi em outros consoles.

                                ... Casa da minha Vó Gorda

Sobre meu irmão? Eu não jogava muito com ele nessa época, na verdade só viemos a jogar juntos no Master System (que vou contar a história outro dia!). Mas lembro que um dos jogos prediletos dele era o Tarzan. Por sinal ele achou esse jogo (chip) na rua e trouxe para casa e para nossa surpresa era o jogo do Tarzan funcionando direitinho. Na verdade esse jogo se chama Jungle Hunt e foi feito para famosa e querida Taito.

                      ... Meu irmão Wagner

        ”Meu irmão teve um NES”..............

E assim foi o início da minha "vida-inicial-social" com amigos e videogames. Você ainda pode perguntar se no colégio onde estudava não tinha pessoas que jogavam Atari? Afinal todo mundo tinha um amigo do colégio que jogava... na verdade não conheci ninguém nessa época que gostava de Atari e só fui conhecer uma galera legal de colégio na 2º série (muitos são amigos até hoje!) que jogavam exatamente o videogame que tinha (próxima história). Então esse tempo só vi realmente minha família o André e o Marcio jogando Atari.


OUTROS JOGOS, CCE ATARI E CURIOSIDADES

Eu tinha vários outros jogos de Atari, que meu irmão e pai tinham comprados (fica tudo em uma caixa de sapado!) e o mais famoso dentro de casa era o Polícia e Ladrão (Keystone Kapers). Era um jogo bem difícil por sinal, alias qual é o jogo de Atari que não era difícil? Além do Galaxian e Polícia e Ladrão joguei: Enduro, Adventure, Sexta-Feira 13 (Halloween), Esconde Esconde (Sneak’n Peek), Gelinho (Frostbit), Asteroides, Missile Command, Pitfall, Spiderman, Velho Oeste (Outlaw), River Raid, Dragão (DragonFire), Boxe (Boxing), Sapinho (Frogger), Megamania, Smurfs e outros que minha mente não permite lembrar.

      ... Atari CCE - SuperGame

Eu também tive depois de um tempo o Atari CCE. Não consigo me lembrar porque compraram outro Atari, não sei se foi porque quebrou ou alguma outra coisa, mas esse era o modelo (foto ao lado!). Engraçado que sempre tentei achar esse modelo em fotos e nada… mas só hoje achei a fotinha dele e ele se chama na verdade de Supergame. E nessa mesma época meu tio Ruy (irmão da minha mãe) tinha comprado Odyssey e deixou ele algumas semanas em casa. Foi outro console que joguei um pouquinho, que gostava nele era o designer e a caixa =)

”Atari CCE? Não! É SUPERGAME”

Como você deve ter percebido ao decorrer do texto a maioria dos jogos citados tem nomes diferentes do original. Como por exemplo o Keystone Kapers de Polícia e Ladrão... Mas na sinceridade acho isso super divertido até hoje e são peculiaridades de quem viveu essa época vai entender.

1) Enduro = Jogo do Carrinho
2) Froggy = Jogo do Sapinho
3) Halloween = Sexta-Feira 13
4) Keystone Kapers = Polícia e Ladrão
5) Tarzan = Jungle Hunter
6) River Raid = Jogo da Navinha
7) Outlaw = Velho Oeste
8) Frostbit = Gelinho
9) Sneak’n Peek = Esconde Esconde
10) Missile Command = Jogo dos Raios

E tantos outros... se você lembra de algum ou falava algum escreve nos comentários.


O FINAL

Atari foi o primeiro videogame que tive a oportunidade de jogar, não são tantas histórias perto de outros que tive e em breve vou escrever, mas ainda sim sou um felizardo por ter tido a oportunidade de jogá-lo. Lá se vai quase 30 anos de lembranças desse console na minha vida e até hoje não tenho ele não minha coleção, mas em breve vou ter. E com isso fico por aqui na primeira parte da Minha Vida Gamer - Parte 1.